A crise na Venezuela é culpa do petróleo?

Vez por outra me assusto com o que vejo no Facebook e ontem foi um desses dias. Apareceu no meu feed de notícias um texto afirmando que a crise na Venezuela é por conta da queda do preço do petróleo e não das desastrosas medidas econômicas do tirano de Caracas. Não creio que alguém acredite nisso, mas, por via das dúvidas, resolvi juntar e compartilhar alguns dados com os leitores. Nada de muito impressionante, mas que pode ser útil na pouco provável hipótese de algum leitor esbarrar com alguém que acredite nesta conversa.

Começo por mostrar quais são os países que são mais dependentes do petróleo. A base de dados do Banco Mundial (WDI) lista o quanto a renda do petróleo representa no PIB de cada país. O dado mais recente para Venezuela é de 2013, desta forma fiz a média da proporção da renda do petróleo no PIB para todos os países entre 2010 e 2013. A figura abaixo mostra os dezenove países onde a renda do petróleo foi maior que 20% do PIB entre 2010 e 2013. A Venezuela aparece na décima quinta posição, com a renda do petróleo correspondendo a 23,9%. Em primeiro lugar está o Congo com 60,88%, além do Congo no Kuait, na Líbia e na Guiné Equatorial a renda do petróleo corresponde a mais de 505 do PIB.

Leia também:  Iniciativa de auxílio aos venezuelanos e roraimenses é belo exemplo dos valores liberais

Fosse a queda do preço do petróleo a principal responsável pela crise que se abateu na Venezuela a partir de 2014 era de se esperar que os outros países da lista tivessem passando por crises semelhantes. A figura abaixo, construída com dados do FMI, mostra a taxa média de crescimento dos países que estão na figura anterior no período 2014 a 2016. Apenas a Líbia teve um desastre maior que o da Venezuela. Para quem não lembra a Líbia está em guerra civil desde 2011 quando da queda Muammar Kadhafi que tiranizou o pais por várias décadas. A guerra ficou mais intensa a partir de 2014 com o conflito entre o governo oficialmente reconhecido, a Irmandade Muçulmana, o Conselho de Benghazi e o Estado Islâmico.

Leia também:  Para além das ideologias

Mesmo o Congo, onde a renda do petróleo corresponde a 60,88% do PIB, conseguiu uma média de crescimento positiva entre 2014 e 2016. De fato, da lista de países apenas quatro tiveram crescimento negativo no período: a Líbia e a Guiné Equatorial, ambos com renda do petróleo acima de 50% do PIB, a Líbia em guerra civil e a Guiné Equatorial governada por um dos mais antigos ditadores no cargo. Os outros dois foram o sultanato de Brunei e a tirania de Caracas.

Enfim, é claro que a queda do preço do petróleo teve efeitos na economia da Venezuela, mas a destruição que está acontecendo no país vizinho está longe de ser o padrão em países ainda mais dependentes do petróleo que a Venezuela. Ainda não posso dizer que o chavismo tem o potencial destruidor de um Estado Islâmico, por outro lado digo sem dúvidas que quem culpa o preço do óleo negro pelo desastre venezuelano está precisando de outro tipo de óleo, um tal óleo de peroba para passar na cara de pau.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  Patrimônio em chamas: entre a burocracia e o descaso