Comunismo é Tirania

comunistas-passeataÉ preciso empreender uma batalha constante contra todos os tipos de tirania. O que significa isso? Significa qualquer postura que tente intermediar a relação do homem com a sua própria psiquê, com o seu íntimo e com a sua fé. O homem que, covardemente, outorga autoridade suprema a qualquer instância orientadora está desertando de um caminho certamente longo, porém mais lúcido que é o caminho da responsabilidade individual diante da valoração de uma causa qualquer.

Ora, atentemos um instante para a promessa aleatória de execução de uma sociedade ideal e perfeita. Quem promete algo parecido com isso está apenas convergindo lutas pessoais e letras imemoriais em um projeto plenamente realizável. O que queremos dizer com isso é que a consecução de uma obra de natureza duradoura depende de séculos de trabalho de uma infinidade de segmentos sociais e de uma renovação de ideias tão profunda que é impossível limitá-la a um dado projeto. A caminhada em direção a algo nobre é efetivamente mais sólida que a suposta conquista que mais tarde com certeza sucumbirá ante a fragilidade de seus fundamentos.

Leia também:  Considerações sobre o “Encontro com Presidenciáveis” no Fórum da Liberdade 2018

O socialismo foi essa trajetória curva na História contemporânea que atrasou o desenvolvimento técnico e o desenvolvimento material, sem falar na outra face mais obscura, qual seja, a soma dos horrores cometidos em nome de um suposto bem. A justificação moral do mal em nome do bem é mais prejudicial ao homem que a execução do mal sem justificativa alguma. Comunismo e nazismo se assemelharam, portanto, quanto aos limites impostos à liberdade, distinguindo-se apenas pela natureza de suas justificações.

Ora, o nazismo se concretizou como forma eficaz de totalitarismo disseminando algo que qualquer pessoa minimamente bem-intencionada sabe tratar-se de uma coisa insustentável, a saber, a ideia de uma raça superior, possuidora de característica distintas que a fariam triunfar. O absurdo da proposta faz com que, passada a catarse tétrica momentânea, os indivíduos ponderem e sigam novamente a rota saudável das relações sociais. Por que então o nazismo ainda encontra defensores? Porque ainda existem indivíduos objetivamente maus que perseguem ideias que lhes correspondam à índole.

Leia também:  As trapalhadas de Jair Bolsonaro na articulação política

Com o comunismo dá-se algo parecido no que compete ao fascínio ideológico e ao embrutecimento intelectual, não obstante o problema se agrave justamente pela manipulação das saudáveis inclinações e dos mais honestos fins que são efetivamente alvos não das pessoas de má índole, mas das pessoas sãs. O comunismo promete a extinção da desigualdade social e estabelece métodos para alcançá-la.

Vejamos, primeiramente o indivíduo parte para uma batalha natural entre a sua própria consciência e a consciência partidária que o obriga a uma suposta moral que de moral efetivamente não tem nada. Depois, a capacidade de persuasão da ideia faz com que o indivíduo se perca em sua própria moralidade, subordinada, doravante, ao fim último a ser perseguido. Nesse intervalo entre o indivíduo desobrigado de prestar contas à própria consciência e o indivíduo devotado a uma causa maior insere-se um sem número de projetos vãos que derrotam a moral dita burguesa fazendo do indivíduo nada mais que um cego lutador, capaz de atos bandidos desprovidos de compaixão, mas justificados pela honradez perante uma causa que o ultrapassa. Eis o fim da sobriedade, da lucidez, da honestidade de conduta e da moral firme de um indivíduo livre.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  A volta do PT e a síndrome de Pilatos

Comentários

  1. SOCIALISMO-ESQUERDISMO-COMUNISMO: RESUMO FINAL

    O Socialismo, Esquerdismo ou Comunismo são a mais perversa, hedionda, patológica e cruel forma de perverter as naturais relações sociais e econômicas entre os homens e destruir a individualidade das pessoas; são invenção de pessoas com graves deformações de personalidade, conduta ou de visão do mundo. São sistemas mantidos, desde seus princípios, por homens avessos ao trabalho regular, à rotina laboral, à hierarquia natural entre os seres humanos, estabelecida pela própria Natureza; seus criadores e seguidores foram e são pessoas capazes de matar toda uma geração, a título de uma pretensa e imaginária felicidade para as gerações futuras; são homens que nunca criaram valores morais ou empregos, ou produziram bens e serviços para seus semelhantes; são pessoas frias, que consideram as demais simples “massas” a serem moldadas de acordo com o que pensaram e decidiram ser melhor para a humanidade; são deformidades humanas que devem ser combatidas sem tréguas, permanentemente, como devem ser combatidos os vermes, as bactérias, os vírus e todos os vetores de doenças infecto-contagiosas e malignas. São isso que estamos vendo e ouvindo, há muito tempo: mortos-vivos, zumbis homogêneos, robôs produzidos em série, sem personalidade. Por isso só chamam as pessoas de “as massas”.

    • Na mosca:

      “O Socialismo, Esquerdismo ou Comunismo são a mais perversa, hedionda, patológica e cruel forma de perverter as naturais relações sociais e econômicas entre os homens e destruir a individualidade das pessoas; são invenção de pessoas com graves deformações de personalidade,”

  2. Caraleo, q puta artigo, Parabéns de mais pelo artigo

  3. Perfeito:
    “A justificação moral do mal em nome do bem é mais prejudicial ao homem que a execução do mal sem justificativa alguma.”

    Ora, pegando carona em Schopenhauer, o diabo não anda por aí com seus chifres e pés de boi, mostrando-se a todos. Exsitisse e fosse mesmo malvadão, fatalmente andaria por ai com carinha de de bom moço e fazendo-se de vítma coitadinha. Sim, como nos fala Spinoza, temos tendência a nos apiedarmos dos infelizes e fracos ao mesmo tempo que ha a tendencia a odiar os fortes e felizes. Obviamente isso deve-se a INVEJA que é consequência da VAIDADE: a tendencia a gostar dos desgraçados é que eles elevam os vaidosos ostentando-se “inferiores”. Já os virtuosos que ostentam valores superiores e a satisfação consigo que todos ambicionam, ferem mortalmente a vaidade daqueles que com eles se comparam e sentem-se inferiorizados, além de verem que tal ostentação dos virtuosos os “diminui” nas comparações que os demais farão tendo o vaidoso como menos virtuoso. Ora, o vaidoso quer estar sempre no topo. Assim, se não é capaz de ostentar superioridade ou igualdade alcançando aqueles que acredita serem mais virtuosos, simplesmente, anseiam destruir tal comparação a si desvantajosa, enchendo-se de ódio contra aqueles que os “denigrem” ante os demais.

    Qdo um vizinho, amigo ou parente compra um carrão (por exemplo), o invejoso tende a tentar igualar ou superar aquele que está ostentando uma capacidade maior de adquirir um bem desejável. O invejoso se “rasga” para igualar ao menos a APARÊNCIA e se não consegue odeia o seu “concorrente” pela admiração dos demais de seu circulo e quer destrui-lo para não ser “sombreado”.

    Não há boas intenções no desejo de igualdade. Afinal, alguém bem intencionado jamais aceitará o ataque covarde contra outros, inocentes, seja lá por qual objetivo for. Aquele que anui com a covardia contra inocentes é em si alguém que não presta, de pouco valor moral e nenhum valor ético (como filosofia da moral ou moral objetiva).

    “Com o comunismo dá-se algo parecido no que compete ao fascínio ideológico e ao embrutecimento intelectual, não obstante o problema se agrave justamente pela manipulação das saudáveis inclinações e dos mais honestos fins que são efetivamente alvos não das pessoas de má índole, mas das pessoas sãs.”

    Um estelionatário que propõe “bons negócios” a suas vítimas, não tem boas intenções. Ele sabe que o benefício é injusto e falso.
    Pessoas sãs jamais anuirão com tamanha INJUSTIÇA e ação COVARDE da força de um Estado contra indivíduos indefesos contra este.
    Não há decência nem boas intenções nisso. As “boas intenções” são apenas disfarces para as más.
    Mesmo que alguém pudesse se enganar sobre os resultados do socialismo, não poderia enganar-se sobre a injustiça deste e ADEMAIS não se negaria a perceber que mesmo no campo material este é uma fraude.
    O socialismo é uma FRAUDE TÉCNICA e SOBRETUDO MORAL e ÉTICA.

    Isso fica até visivel aqui neste trecho:

    “primeiramente o indivíduo parte para uma batalha natural entre a sua própria consciência e a consciência partidária que o obriga a uma suposta moral que de moral efetivamente não tem nada. Depois, a capacidade de persuasão da ideia faz com que o indivíduo se perca em sua própria moralidade, subordinada, doravante, ao fim último a ser perseguido.”

    C. Jung em suas observações é brilhante ao perceber que um indivíduo sob o apoio de seu grupo é capaz de fazer coisas que sozinho com sua consciência não faria. É lógico, pois sozinho ele não pode esconder de si os próprios julgamentos, mas se elege a moral apoiada pelo grupo como superior a sua consciência, então ele se permite tudo tanto mais forte for sua entrega à “consciência coletiva” em detrimento da sua própria. Esse é o objetivo das MORAIS IDEOLÓGICAS: superar a consciência individual para transformar “virtude” qualquer vicio, através da anuência explicita dos seguidores que desprezam a própria consciência para moldarem-se sob uma “consciência externa” manipulada por marketeiros faladores que manipulam “verdades”, profetas do além “superior” que não pode ser contestado por reles mortais ou mesmo por falastrões “salvadores da humanidade” para assim fazerem de suas vontades arbitrárias um objetivo moral, supremo devido a histeria e interesses que não se ousa esclarecer.

  4. Muito bom.