Chegou a hora da UNE prestar contas à sociedade

13115547_1069783213093684_686413327_n

A União Nacional dos Estudantes (UNE) é figura cativa nas manifestações pró-governo. Tem atitudes condizentes com a cartilha da esquerda. Será que eles realmente representam os interesses dos estudantes universitários do País? Ela sempre foi assim, um mero instrumento do governo?

Fundada em 1938, no II Congresso Nacional dos Estudantes, e já em 1940 se viu engajada em forte trabalho de militância contra o fascismo de Getúlio Vargas, aliado às forças do Eixo – Alemanha, Itália e Japão. A sede histórica da UNE, no Rio de Janeiro, por exemplo, é fruto deste confronto entre o autoritarismo do Estado Novo e o espírito liberal-libertário da juventude. A UNE das décadas de 1940 e 1950 ficou conhecida por uma busca pela realidade democrática baseada na defesa da liberdade e da democracia, o que inexoravelmente culmina no enfrentamento da doutrinação política, do autoritarismo no ambiente universitário e até do comunismo.

Entretanto, atualmente pululam iniciativas no Brasil todo como a intenção de substituir a suposta entidade máxima dos estudantes: a Aliança pela Liberdade, o Movimento Universidade Livre, a Associação Catarinense de Estudantes, dentre outras iniciativas. Por que agora isso mudou?

Não são poucas as denúncias relacionadas com fraudes acerca das eleições e da falta de transparência de um órgão que deveria ser um exemplo em termos de horizontalidade na gestão, prestação de contas, ética e representação estudantil. O descaso da UNE com os problemas reais dos estudantes e sua falta de posicionamento institucional é resultado da inoperância da entidade, que há anos é dirigida pelo mesmo grupo político que apoia, cegamente, o governo federal e que foram comprados através de trocas político-partidárias e pelos patrocínios de empresas públicas como Correios, Caixa Econômica e Petrobrás.

Leia também:  Pode ocorrer no Brasil o mesmo fenômeno ocorrido na última eleição presidencial francesa?

Um artigo publicado pelo Spotniks traz informações recolhidas no portal de transparência da Petrobras, nos patrocínios do BNDES e nos Convênios do Portal da Transparência, mostrando que a UNE já recebeu R$ 55,9 milhões da administração pública, entre doações de estatais, transferências diretas e patrocínios de ministérios.

O Antagonista menciona, também, que a UNE realizará uma obra em sua sede que vai custar R$ 65 milhões, dos quais R$ 44,6 milhões são a título de indenização do governo por danos sofridos nos tempos da ditadura. E, além disto, o blog questiona se a UNE irá indenizar a União pelos R$ 6,7 milhões embolsados em convênios federais cujas prestações de contas foram declaradas irregulares, por ser uma entidade impedida de celebrar convênios, contratos de repasse ou termos de parceria com a administração pública federal. Dinheiro que saiu do seu bolso!

Leia também:  Agência Lupa, Facebook e a armadilha mortal da novilíngua

Os últimos anos foram recheados de cortes que impulsionariam a educação no Brasil, financiamentos estudantis recusados, bolsas de iniciação científica cortadas, e milhares de estudantes prejudicados, com cortes que somam mais de R$ 9,4 bilhões (sim, BILHÕES!), realizados pelo governo federal. Mas a entidade criada para defender os interesses dos estudantes renega sua posição histórica de oposição.

Na prática, a UNE dá guarida à defesa dos Crimes de Responsabilidade e “resgata” políticos que são conduzidos coercitivamente pela justiça, servindo em uma posição subalterna aos interesses do governo federal. A maior representação dos estudantes brasileiros, hoje, respalda governos totalitários do eixo bolivariano e os desmandos que tanto prejudicam os universitários, bem como, exibe toda sua valentia em defesa da Petrobras, não como uma posição política, mas como uma contrapartida às vultosas verbas enviadas a título de patrocínio de eventos estudantis.

Leia também:  Os povos indígenas do Brasil almejam viver no século XXI

Se tudo isto não fosse suficiente, a UNE construiu um retrospecto de fraudes tanto no Ministério da Cultura quanto no Ministério dos Esportes, como aponta o Tribunal de Contas da União. A sociedade precisa saber o que se passa numa entidade tão importante e de tantas tradições quanto a UNE.

Sendo assim, foi criada uma petição pública e um site para apoiar a instauração de uma Comissão Parlamentar de Inquérito, a fim de apurar essas irregularidades apontadas pelo TCU liga a União Nacional dos Estudantes. Vimos que a pressão popular tem, sim, efeito sobre o que é feito no Congresso, haja vista as manifestações pró-impeachment e o andamento do processo na Câmara dos Deputados. Vamos, mais uma vez, fazer a nossa parte em buscar de um Brasil livre e melhor.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!