A guerra não é contra as drogas

É contra a concorrência (reserva o mercado das drogas apenas aos bandidos que não têm medo de se tornarem foras-da-lei ou de corromperem políticos, policiais e juízes).

É contra a saúde dos consumidores (impede empreendedores confiáveis, esses que cultuam boas práticas na produção e comércio e que seguem as leis, de participarem desse mercado bilionário),

É contra a paz social (cria comunidades feudais dominadas por gangues e máfias que alimentam a indústria do crime, como roubo de cargas, assalto a bancos, tráfico de armas, prostituição e abuso de menores).

É contra a economia popular e a segurança pública (gasta bilhões em impostos numa luta inglória contra a própria sociedade, e desvia o governo da sua função original que é a luta contra a iniciação do uso da coerção para promover ele próprio a violência em nome da moralidade nos costumes, criando crimes sem vítimas).

Leia também:  6 lixos acadêmicos custeados por você (primeira parte)

A guerra não é contra as drogas, é contra a liberdade individual e a propriedade privada.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!