A declaração de Malala e o porte de armas

Os que criticam Malala quando ela diz que precisamos mais de livros do que de armas são os mesmos que dizem Mais Mises Menos Marx e esquecem que o economista austríaco cunhou essa, que é uma de suas mais famosas frases: “Ideias e somente ideias iluminam a escuridão.”

É óbvio que armas são um instrumento poderoso que pode servir para defender aqueles que se valem apenas de ideias para contrariar os que preferem usá-las violentamente para impor seus pensamentos.

Malala está certa, Mais Livros Menos Armas não é uma declaração ingênua de uma pacifista, é um desejo, um ideal de quem experimentou ainda jovem o poder destrutivo que uma arma tem como argumento de intimidação.

Armas são objetos inanimados que se tornam uma extensão das ideias de quem as porta. Ao dizer mais livros e menos armas, Malala certamente quis dizer, mais ideias e menos intimidação, mais liberdade e menos coerção.

Leia também:  Sobre o IPTU: quem tem mais deve pagar mais pelo mesmo bem?

O porte de armas é um direito, não uma obrigação. Quem quer se proteger daqueles cujas ideias incluem o uso da coerção como forma de convencimento intimidatório pode portá-las ou pode contratar quem tem mais habilidade e disposição para o seu manuseio. Não há nenhuma contradição em se dizer que se é contra o uso de armas, preferindo o uso da argumentação racional, e estar protegida para poder inclusive dizer e fazer isso.

Eu sou a favor da liberação do porte de armas de forma condicionada, aqueles que acham que armas devem servir para impor suas ideias pela coerção deveriam ser impedidos de portá-las. Não dá para negar que contra esses, é preciso se estar prevenido para reagir e para se retaliar em caso de agressão.

Leia também:  Os liberais devem abrir mão dos recursos públicos para campanha?

Não se combate a uso da força com ideias, mas se combate ideias com o uso da força, é por isso que a Malala pede mais livros e mais canetas do que armas. Mais Mises e Menos Marx. Mais Malala Menos Talibã.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  Eleições e os desafios da Economia Brasileira