A “Arma da Fome” como ferramenta de controle social na Venezuela

A esquerda conseguiu impor a narrativa de que a repressão que marcou os primeiros anos da URSS foi necessária para conter a guerra civil.

Os fatos, porém, mostram que essa “guerra” foi nada mais do que a revolta de operários contra o governo bolchevique, que se mostrou imensuravelmente mais autoritário e violento que o dos czares que o precederam; e também contra os camponeses (que correspondiam a 85% da população russa), que não aceitavam a coletivização imposta pelos comunistas.

Logo no começo de seu governo, Lênin implementou o que ficou conhecido como Terror Vermelho, um programa sistêmico de perseguição a opositores, de caça a religiosos, a minorias étnicas e a grupos “socialmente estranhos” (como os cossacos), de repressão violenta contra greves e manifestações populares, de deportações, de restrição da atividade econômica, de expropriações, de expurgos, de criação de campos de concentração e de trabalho escravo, de pilhagem, de exploração sexual por parte de membros do governo e do Partido, de confiscos das colheitas dos camponeses, de alta carga horária e terríveis condições de trabalho impostas aos operários nas mais de duas mil fábricas militarizadas, de tortura, de ondas de prisões e de fuzilamentos em massa.

Relatórios da Tcheka, a polícia política criada por Lênin, registram que apenas entre março e abril de 1922 foram mortos 2.961 padres, 1.962 monges e 3.447 freiras.

Em 11 de junho de 1921, foi assinado um decreto que exigia o fuzilamento imediato de qualquer cidadão que recusasse dizer o nome e do primogênito de toda família que estivesse guardando armas ou acolhendo “bandidos” − todas as pessoas não alinhadas ao regime comunista.

Entre novembro e dezembro de 1920, cerca de 50 mil pessoas foram fuziladas ou enforcadas pelo governo bolchevique na Criméia. Números próximos a esse foram registrados pela própria Tcheka em praticamente todas as províncias do império soviético entre 1919 e 1920.

Apenas nas regiões cossacas, o número de vítimas foi calculado entre 300 mil e 500 mil.

Na cidade industrial de Astrakhan, em março de 1919, ocorreu uma greve de operários. A repressão a eles exemplifica muito bem os métodos de “pacificação” da sociedade russa empregados pelos comunistas: foram fuzilados entre dois mil e quatro mil trabalhadores. Além desses, entre 600 e mil cidadãos apontados como “burgueses” foram assassinados pelas milícias bolcheviques e por agentes da Tcheka.

Leia também:  Paulo Guedes não pode falar em "imposto sobre pecados"

Mesmo sofrendo toda essa violência, o povo russo não desistia de lutar, principalmente nas zonas rurais, onde ocorriam centenas de manifestações a cada mês.

A solução encontrada por Lenin foi o esgotamento físico da população rebelde por meio do que ele próprio chamou de “arma da fome”.

Foi, então, intensificado o programa de cotas de produtividade no campo, que levou ao confisco de toda a produção agrícola. Leis foram criadas para punir com prisão e morte qualquer pessoa que se opusesse a entregar sua produção ou que se utilizasse desta para seus próprios interesses – comercializar ou consumir.

Nas grandes cidades, os operários passaram a receber comida em função da produtividade.

Por conta disso, as manifestações contra o regime comunista diminuíram bastante, iniciando um curto período de trégua na conhecida “guerra civil” russa.

Entre 1921 e 1922, cerca de cinco milhões de pessoas foram levadas à morte pelo programa de “pacificação” comunista. A título de comparação, a grande fome que assolou a Rússia trinta anos antes fez 500 mil vítimas.

O programa de cotas do regime desmantelou toda a cadeia produtiva rural, fazendo com que a produção em 1921 recuasse aos números de 1913. Cerca de 85% do gado havia morrido.

Um representante da ditadura comunista descreveu, em carta a superiores, a derrota dos revoltosos:

“Assistimos a novos fenômenos: multidões de milhares de famintos cercam pacificamente o Comitê Executivo dos Sovietes ou do Partido e esperam, pacificamente, durante dias, não se sabe por qual miraculosa chegada de alimentos. Não conseguimos expulsar essa multidão, na qual a cada dia as pessoas morrem como moscas. (…) Creio que há pelo menos 900 mil famintos na província”.

Leia também:  A gestão de Ilan Goldfajn no Banco Central

A mortalidade nas comunidades revoltosas era de 15% a 20% por mês! A “arma da fome” tinha ainda outro propósito.

Em carta ao Politiburo, Lenin explicou:

“Temos 99% de chance de dar, com sucesso total, um golpe mortal na cabeça do inimigo, garantindo as posições que são essenciais para as décadas futuras. Com todas as pessoas famintas que já se alimentam de carne humana, com todas as estradas cheias de centenas, milhares de cadáveres, é agora e somente agora o momento em que podemos (e, por conseguinte, devemos) confiscar os bens da igreja, com uma energia feroz, impiedosa”.

Foi assim que os comunistas obtiveram alguns anos de tranquilidade no período entre a morte de Lênin e a chegada de Stalin ao poder.

Esse breve resumo do Terror Vermelho serve para entendermos melhor o que os socialistas estão fazendo na Venezuela: deixando, premeditadamente, a população morrer de fome para destruir qualquer poder de reação. Quem podia ir embora do país, já foi. Uma minoria ainda defende o regime simplesmente porque faz parte dele. A maioria da população é composta por uma massa de cidadãos comuns que perdem as condições de luta à medida em que se veem sem comida – e sem remédios, água, luz, produtos de higiene pessoal, etc.

Eis o que o deputado Miguel Pizarro Rodríguez, do que resta de oposição na Venezuela, disse em entrevista ao UOL no último domingo, sobre o uso da “arma da fome” no país:

“Isso ocorria por meio do uso do Carnê da Pátria. A distribuição de alimentos era realizada em um sistema de segregação, para garantir o controle político sobre a população. (…) Era o silêncio e obediência em troca de comida. Era o silêncio em troca de comer. Uma tentativa de controlar a população por meio da necessidade e da construção de espiral de miséria”.

Leia também:  70 anos da revolução chinesa, a mais assassina da história

No editorial de hoje, o jornal Folha de S. Paulo fala das epidemias de doenças, dos hospitais sem energia elétrica e das adolescentes se prostituindo em troca de comida na Venezuela. Num cenário desses, poucos conseguem forças para lutar. O ser humano é reduzido à sua condição mais primitiva: a de um animal lutando dia a dia por sua sobrevivência.

Esse é o socialismo do século 21, tão cruel e assassino quanto o do século 20, mas que ainda conta com o apoio da esquerda brasileira liderada pelo PT.

Esgotados física e espiritualmente, logo os venezuelanos irão se conformar e se ajustar à situação, a exemplo do que ocorreu em Cuba e na Coreia do Norte. As manifestações irão acabar, assim como as imagens e as notícias da violência estatal contra seus participantes. Então, a grande imprensa não terá mais nada para mostrar.

Silenciosamente, os socialistas vão exterminar o restinho de oposição que existe no país. Em pouco tempo, terão condições de investir na construção da narrativa de que o país atingiu um alto índice de igualdade e harmonia social.

Belíssimos números sobre educação e saúde serão forjados e divulgados pelo mundo. Eventos culturais e visitas organizadas de estrangeiros serão promovidas em locais cenograficamente preparados. A Venezuela passará a ser mais um orgulho no currículo do socialismo apresentado nas universidades e nos grandes jornais. E, claro… Todas as dificuldades financeiras do país serão ditas como resultado de sanções norte-americanas.

*As informações sobre o Terror Vermelho foram extraídas do primeiro capítulo da obra O Livro Negro do Comunismo, entre as páginas 110 e 155, assinado pelo historiador francês Nicolas Werth.

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
João Cesar de Melo

João Cesar de Melo

É arquiteto e artista plástico.