fbpx

O Médico e o Monstro

Colaboradores

24.03.06

 

 

O Médico e o Monstro

 

___ Rodrigo Constantino*

 

 

O médico era um homem sereno, tranqüilo, que gozava de razoável reputação. Vivia, entretanto, um outro ser dentro dele, dividindo o mesmo corpo. Este era medonho, deixando um rastro de pavor e repulsa por onde passava. O médico descobriu a poção mágica do poder, que poderia separar ambos, dando vida a um novo indivíduo, formado unicamente pelas características ruins da dupla personalidade. A impunidade, já que o monstro poderia virar médico a qualquer momento, era um convite ao crime. Desde então, ficara cada vez mais difícil controlar a fera.

O médico ainda resistia, e tornou-se até mesmo um respeitado ministro. Era uma voz de bom senso no meio de uma verborragia populista dos demais membros do governo. Mas o monstro estava lá, vivo, com seu passado de militante esquerdista, com suas ambições desenfreadas pelo poder. Dr. Jeckyl tentava ocultar, mas o passado de Mr. Hyde, que inclui formação de quadrilha e recebimento de propina mensal, ao que tudo indica, viria lhe assombrar. Até mesmo um simples caseiro iria entregar o lado mentiroso do médico, ainda que tudo tenha sido feito para calá-lo e desqualificá-lo, com métodos que remetem à ditadura.

Tal como na obra de Stevenson, o lado mal sempre vence a disputa com o bem nesses casos de personalidade dupla. O médico não tem forças para dominar o monstro. Este é mais forte, mais determinado, e acaba destruindo ambos no final.

* Economista, autor do livro “Estrela Cadente: as contradições e trapalhadas do PT”.

Bernardo Santoro

Bernardo Santoro

Mestre em Teoria e Filosofia do Direito (UERJ), Mestrando em Economia (Universidad Francisco Marroquín) e Pós-Graduado em Economia (UERJ). Professor de Economia Política das Faculdades de Direito da UERJ e da UFRJ. Advogado e Diretor-Executivo do Instituto Liberal.