Votos por partido para o aumento do salários dos ministros do STF

No dia 07 de novembro, o Senado aprovou o aumento dos salários dos ministros do STF de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil. O impacto da medida é significativo, pois esse aumento de salários pode levar ao aumento de salários em outras carreiras, inclusive nos estados.

Estimativas preliminares sugerem que o impacto fiscal deve ser de, no mínimo, R$ 4 bilhões por ano (link aqui e aqui). Algumas estimativas sugerem que pode chegar a R$ 6 bilhões por ano. O UOL listou como votou cada senador (link aqui). Foram 41 votos favoráveis, 16 votos contrários e uma abstenção do senador José Maranhão do MDB da Paraíba. A figura abaixo resume os votos favoráveis por cada partido.

Leia também:  Ciro Gomes é um caminhão desgovernado que confunde democracia com “cirocracia”

O PSDB foi o partido que mais contribuiu com votos para a aprovação do aumento; em segundo lugar veio o MDB e depois Podemos, PR e PSD aparecem empatados. Os partidos que mais deram votos contrários foram o DEM e o PT, seguidos por MDB e PSB. A figura abaixo mostra os votos contrários dados por cada partido.

Confesso que não esperava isso dos tucanos; o momento é de ajuste fiscal e esse tipo de medida, além de elevar o gasto público, transmite um péssimo sinal para a população, que em breve vai ser chamada a pagar parte da conta do ajuste fiscal. Registro que estou ciente da promessa de cortar auxílios moradia para juízes e promotores como forma de compensar parte do aumento de gastos, mas é difícil não ver essa barganha como uma espécie de chantagem com o pagador de impostos; afinal, se o auxílio é ilegal, não deveria existir e, se é legal, apenas uma mudança na legislação deveria poder acabar com o referido auxílio. De toda forma, mesmo que a promessa seja cumprida, fica o péssimo exemplo dado pelo Senado.

Leia também:  O ativismo “politicamente correto” no STF ameaça a liberdade de pensar

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Roberto Ellery

Roberto Ellery

Roberto Ellery, professor de Economia da Universidade de Brasília (UnB), participa de debate sobre as formas de alterar o atual quadro de baixa taxa de investimento agregado no país e os efeitos em longo prazo das políticas de investimento.