Quem não se constrange em atirar no próprio povo, não se intimida com palavras

Se Maduro atacasse a Colômbia ou o Brasil certamente haveria uma intervenção militar para tirá-lo do poder.

Como Maduro ataca os próprios venezuelanos, o mundo faz de conta que o povo escolheu o tirano.

É óbvio que Maduro não tem legitimidade, que está apenas se aproveitando do fato de a população estar desarmada, de a oposição não ter força efetiva para tirá-lo do poder e da inércia da comunidade internacional que repete o que vem fazendo há décadas com as tiranias cubana, norte-coreana, entre outras.

Nenhum ditador inescrupuloso na situação confortável em que Maduro se encontra entrega o poder espontaneamente.

Leia também:  Querem dar chance aos presos? Usem incentivos, não imposições

Muitos venezuelanos morrerão de fome ou executados pelas milícias subordinadas ao tirano antes de ele ser apeado do poder. Não será com a força dos microfones que a oposição abalará a estrutura de poder que tomou conta de Caracas desde a ascensão de Hugo Chávez.

Quem não se constrange de atirar no próprio povo, não se intimida com palavras. Esses tipos só entendem a mensagem enviada por uma rajada de balas.

Chávez nunca prometeu ao povo venezuelano fome, miséria, violência e caos. Ele prometeu socialismo. Ocorre que socialismo é sinônimo de fome, miséria, violência e caos e não adianta os políticos dizerem o contrário, porque acima de suas promessas, existe algo mais forte do que elas: a realidade objetiva. Infelizmente, a mente humana é tão suscetível à mentira que há os que prometem falsidades e há os que acreditam. Não importa o grau de desenvolvimento das sociedades, quando surge um sujeito suficientemente carismático e canalha para prometer o que as pessoas querem escutar, elas responderão com sua crença no improvável. Acreditar no socialismo é de uma ingenuidade só comparável à das criancinhas que acreditam em Papai Noel e coelhinho da Páscoa.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  Rompimento das barragens: por que ninguém será punido?