Qual a melhor maneira de combater o politicamente correto?

Existem preconceitos e “preconceitos” que nada mais são do que manifestações tradicionais de formas diferentes de pensar e, por isso, não são aceitas pelo politicamente correto e por sua patrulha política. Então, o que o grupelho de esquerda intenta em atacar, chamando de preconceito (o que não é), são as tradições e os costumes que guardamos dentro do coração durante anos e anos. Só se guarda uma coisa que dura para sempre dentro do coração e não só na mente.

Isso está tão arraigado na cultura, na mente e no coração de incautos, que toda a frente de batalha em ataque na forma de contracultura parece ser preconceito, quando, na verdade, não o é. É pura forma de pensar diferente, mas que grupos hedonistas e seus partidos políticos ou segmentos mais ou menos organizados reprimem como se fosse preconceito.

O preconceito, então, considerado como tradição, cultura almática (que está no coração humano) e costume humano aceito largamente e de forma universal, torna-se instrumento de trabalho, em forma de captação de mentes e de ataque dos modernos e progressistas. O outro torna-se preconceituoso quando rebate condutas e pensamentos de um senso comum.

Hoje em dia não mais se questiona o que se pensa ou o como se age. As nossas diferentes formas de pensar e de agir foram moldadas por grupos específicos politicamente corretos, que nos deram uma recomendação muito sutil para agirmos de certa forma automática. Criou-se a cultura do politicamente correto, que dá um requinte de humano a tudo que vem dela, enquanto os outros são taxados de desumanos e agentes de verdadeiros crimes contra a humanidade. Reverter esse quadro agora é muito difícil, converter esse diagnóstico mortal de nossa civilização é complicado. Isso porque quando se contraria o que está estabelecido culturalmente, mesmo que essa cultura possa ser tida como contrária à nossa lei do certo e do errado, implica em trabalhar dobrado e isso cansa muito diante da resistência cultural contra adversários desumanos e tidos como preconceituosos.

Leia também:  Série Heróis da Liberdade: Steve Jobs

É perceptível que os preconceituosos são assim considerados porque parecem subverter a cultura humanitária estabelecida. Por exemplo, falar contra o Estado de bem-estar social, que defende pessoas necessitadas, transferência de renda através dos benefícios previdenciários ou doações como bolsa-família, parece vir de pessoas sem coração ou desalmadas. Essa impressão ainda fica mesmo que o adversário esteja vendo as coisas de um outro jeito. Mesmo que ele queira, por exemplo, que o Estado deixe as pessoas pensarem mais e utilizarem todo o seu potencial para saírem da vida em que se encontram. Está tentando ajudar. Não é contra pobres, pessoas necessitadas, humildes e fracos. Aliás, fracos são os que propagam essa cultura desumana em quem precisa de força para superar a dor da vida.

O bom samaritano vira o mentor verdadeiro e aquele que tem a chave para uma vida melhor é visto como preconceituoso. Os conceitos se invertem, numa jogada traiçoeira do politicamente correto para minar os contrários e manter o poder e a cultura estabelecida.

Semana passada escrevi sobre o preconceito. Escrevi o que Theodore Dalrymple deixou magistralmente expresso em sua obra “Em defesa do preconceito: a necessidade de se ter idéias preconcebidas”. No entanto, o que se quer defender, na verdade, é que não se deve ter preconceito contra o preconceito, assim entendido o direito de pensar diferente. Não permitir isso é ser preconceituoso mesmo que você pareça um bom samaritano.

Nos tempos de hoje, o moderno é não ser racista, homofóbico, sexista, machista, etc. Concordo plenamente. Existem grupos que se dizem defensores de uma cultura cristã autêntica mas que agem de forma inversa. Ora, a cultura cristã (vamos falar de cultura, não de religião, para não atrapalhar o raciocínio) é verdadeiramente acolhedora e não desagregadora. Existe muita coisa defendida que, à primeira vista, parece ser de cunho homofóbico, racista, etc., mas não o é. Só que os verdadeiros preconceituosos não entendem isso, daí vindo o problema do mal entendido e da própria cultura do preconceito.

Leia também:  O Brasil deveria convidar os ditadores de Cuba e Venezuela para a posse de Jair Bolsonaro?

Voltando a Theodore Dalrymple, na sua obra acima citada, o famoso escritor tenta explicar todo esse mal entendido criado pelo politicamente correto contra os chamados preconceituosos, geralmente conservadores ou reacionários. Estes são tidos como verdadeiros hereges. Isso não deixa de ser verdade.

No ensaio “Preconceito necessário para a vida em família”, o que se quer preservar são valores universais que carregamos no coração de tempos longínquos de existência humana. O sentar juntos à mesa acabou cedendo espaço para uma forma individualizada e moderna de partilhar o pão. Moderna mas não evoluída, diga-se de passagem. Forma destrutiva e desagregadora, já que contrária à natureza. Casamentos mal sucedidos e filhos bastardos fizeram surgir um tipo de preconceito baseado na livre escolha familiar. A falta de entendimento (para dizer o menos) a respeito das contingências e da imperfeição humana fez surgir formas de ser relacionar instáveis e líquidas, temporárias.

Um preconceito sempre será substituído por outro, de ordem inversa. Assim, uma tradição ou pensamento de que ter um filho fora do casamento é preconceituoso está sendo substituído por outro completamente contrário, o de que ter um filho fora do casamento e sem pai conhecido virou moda e quem assim age é moderno.

Estamos vivendo na era da liberdade de opinião. Não precisamos ser inteligentes (apenas ter sensibilidade) para perceber o quão difícil é travar uma conversa ou um diálogo adulto com aqueles que se sentem filósofos ou “inteligentinhos”. Os caras têm opinião para tudo e sabem de tudo. Impressionante! Universitários, então, nem se fala. Perderam o senso de hierarquia em sala de aula, esquecendo-se de que o professor possui mais horas de estudo do que eles, geralmente mais idade, portanto, mais experiência. Mas não. O que importa hoje é ter uma opinião original. E as opiniões se equivalem pouco importando quem são os contrários que estão debatendo.

Leia também:  O desespero do PT e o furacão Bolsonaro

A Constituição Federal dá o direito de manifestação responsável de consciência e de crença. Eu disse responsável. O que vem após isso passa a poder ser considerada crime. Por outro lado, o direito de manifestação de uma contracultura é um direito sagrado e natural, faz parte do ser humano. Negar isso é negar que a pessoa humana tem sua dignidade. Negar isso é negar direitos humanos.

Rodrigo Constantino disse em vídeo que a cultura fascista está impregnada como sendo de direita e não de esquerda. Lutar contra essa postura politicamente correta e cultura do senso comum faz dos conservadores e liberais fascistas, os inimigos mortais, os hereges. Esse tipo de cultura maniqueísta impede o livre pensar e a liberdade de discussão numa sociedade que se diz pluralista. Apenas xingar e violentar os contrários é que faz supor prática fascista, e não o contrário, que é a vontade de dialogar e conservar a civilização. Tal cultura de extermínio implica em religião disfarçada de política ou cultura.

Com certeza não é racismo, homofobia, machismo, sexismo, misoginia, entre tantos outros instrumentos ou chavões criados pela cultura politicamente correta em prol de sua moral superior. Então o que é? É, de forma pura, o direito de pensar e de manifestar diferente, em defesa da tradição e do costume.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!