O petismo é uma doença ou um incurável problema de comportamento?

Essa insistência dos petistas e psolistas de verem legitimidade no que Maduro e seus asseclas fazem na Venezuela é chocante.

Eu ainda não sei se “petismo” ou outros comportamentos fanáticos como o “psolismo”, que fazem o portador do transtorno desconectar-se da realidade, são sintomas de uma doença ou apenas um problema comportamental com causas improváveis..

Thomas Szazs, médico libertário húngaro, dizia que não existiam doenças mentais. Doenças seriam apenas distúrbios no funcionamento corporal mas não comportamental. É dele a famosa citação: “Se você fala com Deus, você está rezando. Se Deus falar com você, você tem esquizofrenia. Se um morto falar com você, você é um espiritualista. Se você falar com um morto, você é esquizofrênico”.

Leia também:  Se o liberalismo é tão bom, como se explica sua substituição pelo Estado-leviatã?

Se ele tinha razão então petismo é ou é um distúrbio comportamental ou um conjunto de sintomas de uma doença no cérebro ainda não identificada.

Petismo manifesta-se em pessoas que enxergam mas não vêem, que percebem mas não identificam, que introjetam mas não integram, que analisam mas não deduzem, que, quando deduzem, chegam invariavelmente a conclusões desconexas com o que perceberam em primeiro lugar.

Petismo leva as pessoas a produzirem teses cujos resultados são diametralmente opostos ao que a verdade e a lógica indicam.

O distúrbio relacionado com o petismo já são verificáveis, agora resta descobrir se é uma doença corporal ou um incurável problema de comportamento.

Leia também:  Não se constrói o mundo ideal através da coerção
Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!