Manuela d’Ávila e a herança comunista

Manuela d´Avila pergunta: – “Como falar de meritocracia quando alguém recebe uma fortuna de herança?” Eu pergunto para a Manuela: – “Como falar de meritocracia quando o governo se apropria da fortuna alheia com o uso da força, para distribuir a maior parte do butim entre seus membros e amigos parasitas e as sobras para […]

Manuela d´Avila pergunta:
– “Como falar de meritocracia quando alguém recebe uma fortuna de herança?”

Eu pergunto para a Manuela:
– “Como falar de meritocracia quando o governo se apropria da fortuna alheia com o uso da força, para distribuir a maior parte do butim entre seus membros e amigos parasitas e as sobras para os miseráveis que também são suas vítimas?”

Mérito, sob a ótica do herdeiro ou de terceiros, não se aplica nem no caso de transmissão voluntária de bens e muito menos no caso da transmissão coercitiva deles. O que fundamenta a transmissão de bens por herança é o direito de propriedade de quem criou aqueles bens.

É o dono legítimo dos bens que merece decidir sobre seu paradeiro, pela simples razão de que foi ele que teve o mérito de tê-los criado. É o dono dos bens que decide quem merecerá recebê-los, de acordo com o interesse dele, o doador.

Simples assim.

O legado de alguém deveria ser transmitido com a morte de seu proprietário de acordo com sua vontade. A vontade expressa em testamento deveria ser absoluta, superando inclusive o que estiver previsto em lei sobre o assunto.

Taxar a transmissão de herança não contraria a vontade do herdeiro, que provavelmente não a recusará, contraria a vontade de quem lega seus bens para quem ele achar que merece.

Logo, quem julga o mérito do herdeiro não é um terceiro qualquer, muito menos a Manuela d´Ávila, que de mérito não entende nada.

Quem julga o mérito do agraciado com a fortuna que lhe foi transmitida como herança, é o doador, criador e proprietário daqueles bens, a quem a decisão sobre o que fazer com os bens lhe cabe inteiramente.

Manuela d´Ávila esquece que mérito envolve mais do que a relação trabalho e produção. O ser humano não cria apenas valores materiais, mas cria também valores intelectuais e espirituais.

Quando alguém doa a sua fortuna na expectativa da morte, está pensando nos valores que aquilo que criou seguirá produzindo.

Uma doação envolve também o desejo do doador de retribuir pelos valores que lhe foram caros em vida, podendo ser o amor de uma esposa ou de um marido, de uma filha ou de um filho, de um irmão, de um parente ou de um amigo.

Quem sabe poderia ser também a doação para uma entidade de ensino, como agradecimento pelo saber adquirido, doação para uma entidade beneficente como demonstração de compaixão com os desvalidos, ou a criação de um fundo corporativo, como expressão de confiança naqueles que, de posse do legado que lhes for deixado, irão tratá-lo com a mesma atenção de quem passou a vida para construí-lo.

Manuela d´Ávila herdou o Partido Comunista, parece que para ela, os milhões de mortos, miseráveis e oprimidos produzidos por quem lhe transmitiu o legado, ainda não foram contabilizados por ela na herança que recebeu. O interessante é que quem lhe legou essa herança deve ter visto nela algum mérito vinculado ao que lhe destinaram, um partido que defende uma ideologia totalitária e assassina.

Bom mesmo é Cuba ou a Coréia do Norte, onde um irmão ou um filho herdam um país inteiro e não há ninguém para taxá-los.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal e Roberto Rachewsky no Patreon!