FARC e a farsa da democracia na Colombia

FARC é a sigla de Fuerzas Amadas  Revolucionárias de Colombia. Trata-se de um grupo guerrilheiro de esquerda atuando há mais de 50 anos na Colômbia. É o mais antigo do mundo. Escondidos na selva, antigamente faziam atentados em Bogotá e chegaram mesmo a metralhar o Palácio da Justiça. Hoje não são tão ousados!

Todavia, a partir da eleição do Presidente Álvaro Uribe e de um acordo de cooperação com os Estados Unidos, as FARC se limitaram a uma região dominada por eles em plena floresta. Mas não depuseram as armas. “Pátria o muerte, venceremos!”, esta era de Fidel Castro, mas deve fazer sucesso entre os guerrilheiros das FARC.

Durante muito tempo, eles se mantiveram afastados dos cartéis de Calle e de Medelín, mas acabaram se aliando aos traficantes de drogas, de tal modo que hoje formam o que foi chamado de narcoguerrilha, que continuou atuando mesmo após a morte de Pablo Escobar, o chefão do tráfico. Rei morto, viva o rei. Este posto é ocupado hoje pelo Presidente da Bolívia: Primevo Inmorales.

Essa aliança entre dois grupos maquiavélicos se explica, em primeiro lugar, porque “Os fins justificam os meios” e, em segundo, porque – na falta do Ouro de Moscou repassado a Havana – as FARC ficaram sem capital para financiar a guerrilha. E sem capital, não há capitalismo nem revolução comunista.

Leia também:  Sobre a "escravidão" dos médicos cubanos

É necessária ajuda capitalista para acabar com o capitalismo. Lenin que o diga. Com o surgimento de Hugorila Chávez na Venezuela, as FARC ganharam um novo aliado. Não há dúvida de que Chávez tem se alinhado com os governos do PT no plano internacional. O apoio ao golpista Manuel Zelaya em Honduras, o apoio aos tirânicos governos fundamentalistas islâmicos no Irã e aos irmãos Castro em Cuba são claras evidências.

Mas há quem pense que se trata de uma tríplice aliança: FARC, Chávez e PT voltada para a dominação comunista da América do Sul. Mas isto não passa de teoria conspiracionista…Ou não?! Mas é um fato que o PT não considera as FARC um grupo guerrilheiro, mas sim um “movimento social”. Deve ser por isto que um representante das FARC tem participado das reuniões do Foro de S.Paulo.

Em agosto de 2016, foi feita uma reunião em Havana onde estavam o Presidente da Colômbia, Manuel Santos, e o líder das FARC. Após muitas negociações, foi firmado um tratado de paz em setembro do mesmo ano. Neste mesmo, os guerrilheiros que não cometeram crimes hediondos foram anistiados, e os que cometeram serão julgados por um tribunal especial. Mas como apurar quem cometeu crimes hediondos ou não?!Além disso, os que não cometeram crimes – a não ser participar de uma guerrilha contra a ordem constituída – poderão formar um partido político e se candidatar a eleições.

Leia também:  Estudantes Preguiçosos e o Problema da Transferência de Responsabilidade

Será criado assim o PT colombiano que aceita as regras da democracia unicamente para acabar com ela, de acordo com a estratégia gramsciana. A única esperança é que esse partido das FARC não fique 13 anos no poder arruinando a economia colombiana, que melhorou muito no governo Uribe.

O Presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, conseguiu reduzir bastante o poderio das FARC, com a ajuda militar e logística dos americanos. O PT e os partidos de esquerda sulamericanos protestaram alegando uma intervenção dos malditos yankees no Continente.  Numa reunião do Foro de S. Paulo, Lula-Deixa-Que-Eu-Chuto aconselhou o representante das FARC a abandonar a luta armada e participar da vida política, ou seja: trocar as ideias do companheiro Lenin pelas do companheiro Gramsci.

Uribe saiu do governo e entrou o socialista Juan Manuel Santos. Este fez um plebiscito a respeito de um acordo em que as FARC abandonariam a guerrilha e em troca podiam fundar um partido político e lançar candidaturas ao Congresso, tendo ainda 10 vagas garantidas, independentemente dos votos recebidos! O my dog! Que bicho é este? Reserva de mercado eleitoral? Abomináveis cotas? Democracia cucaracha!

O povo indignado com essa farsa de democracia respondeu ao plebiscito com um rotundo Não! Mas Juan Manuel é destes que não aceita um não como resposta. Com a mediação do Papa Francisco que já havia mediado outro acordo de esquerdistas, aquele feito entre Barroco Obama e Raulito de Las Candongas, Juan Manuel firmou o acordo contra a vontade da expressiva maioria de seu povo.

Leia também:  Não se enganem: contribuição a sindicato tem que ser vontade individual

No entanto, foram feitas eleições e o partido das FARC não conseguiu eleger nenhum só candidato! Não tem problema, ele já tem garantidas 10 cadeiras no Parlamento. Este bizarro episódio mostra um cenário bastante parecido com o do Brasil. Os governantes, em suas torres de marfim, são inteiramente indiferentes às ideias e às aspirações dos governados. Os representantes do povo não o representam. É uma farsa de democracia!

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!