Está na hora da Direita trabalhar na estruturação dos espaços organizados

“Aqueles que não procuram se não sua justa liberdade têm direito a conquistá-la, sempre que tiverem tal poder, por mais numerosas que sejam as vozes em contrário”. – John Milton.

A política, além de ser a arte do possível, é a arte de tomar e ceder espaços. A hora da direita como movimento político organizado está chegando. Com futuras eleições, devemos estruturar uma rede entre os novos e os atuais líderes do movimento político mais à direita.

John Adams, um dos Founding Fathers americanos, sempre nos lembra da importância de uma formação política sólida e de um senso de dever que qualquer homem da política deve ter dentro de si: “Eu devo estudar Política e Guerra para que meus filhos tenham a liberdade de estudar Matemática e Filosofia.”

Devemos estruturar, estudar e entrar no embate como um movimento político organizado. Devemos dar o basta no projeto de poder que a esquerda arquiteta no Brasil. Depois de mais de 14 anos no poder, a esquerda mostrou a sua verdadeira face: deixou o país nas ruínas, arrogando a si o “poder” de estarem acima da lei, desprezando e sucateando nossas instituições e destruindo a vida de milhares de brasileiros.

Não vemos políticos, vemos quadrilhas que apenas querem parasitar e aparelhar o estado para usarem do poder para os seus fins políticos, nada além. Irão pisar, irão passar por cima de todos aqueles que desviarem, mesmo que milimetricamente, do seu plano organizado da tomada de poder. Tudo pela revolução, certo?

Devemos mostrar ao que viemos. Devemos definir claramente que não mais deixaremos o espaço político ser tomado com facilidade. Viemos com uma missão bem clara: retirar a esquerda do poder. Dar a vida pública o respeito que se deve ter ao tratar de um país.

Não mais podemos ser lenientes com a balburdia e a barbárie que nossa política se transformou. Não podemos mais ficar em silêncio. O que me preocupa não é o grito dos maus, mas o silêncio dos bons[1].

Leia também:  A vida e pensamento de Friedrich Hayek (segunda parte)

A democracia, na visão dos políticos brasileiros é viciosa. A visão de que deve legislar com “competência e legitimidade” para com os seus grupos de interesse – que conveniente legislar para sua base eleitoral, não é mesmo? -.
Maksoud – na década de 80! – já nos alertava sobre essa “policagem” que “prometem estender e intensificar as funções e as atividades da máquina estatal para servir, sem quaisquer restrições, a todas reivindicações que representarem a expressão das vontades de grupos de interesse organizados do povo.[2]

Nos três poderes, o aparelhamento é evidente. O judiciário legisla, o executivo legisla e o legislativo é omisso. Na década de 1990, o Ex-senador Humberto Lucena, do PMDB, já alertava sobre essa leniência legislativa para com os outros dois poderes: “quando tanto se fala no fracasso do sistema presidencialista no Brasil, sem dúvida o maior problema está justamente aí… os governantes cometem crimes de responsabilidade, mas o Legislativo, que tem o dever de apurá-los e puni-los, inclusive com seu afastamento, vem se acomodando, ao longo do tempo, num total desprestígio de caráter institucional”[3]

Lembro aqui, também, oportunamente, do grande discurso de Wiston Churchill em 11 de novembro de 1947: “(…) Democracia, devo explicar ao Senhor presidente, não significa “nós temos a maioria, não importa como, e temos nosso contrato de concessão do governo por cinco anos (…)”[4].

Devemos restaurar as nossas instituições. Devemos restaurar uma política com a consciência de que os direitos fundamentais – vida, liberdade e propriedade – não devem ser desrespeitados. Devemos restaurar a ética e a moral que se foi extirpada da política há muito tempo.

Chega da depredação dos nossos direitos de propriedade. Chega do assassinato da nossa Liberdade. Chega da ameaça às nossas vidas. O estado não pode cancelar os direitos que o homem possui desde o seu nascimento[5]. Não podemos mais deixar que a arbitrariedade da esquerda domine nossa política. Não podemos mais deixar que essa quadrilha tenha o domínio das nossas vidas. Não são líderes, são usurpadores. Ditadores.

Leia também:  Saiba o que fazer para ajudar seu filho adolescente apaixonado pelas ideias socialistas

O historiador Lord Acton (1834-1902), no seu entendimento sobre liberdade: “[…] a liberdade não é um meio para atingir um fim político mais elevado. Ela é o fim político mais elevado. Não é para realizar uma boa administração pública que a liberdade é necessária, mas sim para assegurar a busca dos fins mais elevados da sociedade civil e da vida privada“.[6]

Necessitamos da liberdade não como meio, mas como o maior fim político. Devemos nos livrar dos grilhões de um estado inchado, falido e totalitário. É a hora de, no norte dos três direitos fundamentais do homem, entramos no embate político. E o embate político não é formado apenas pelos homens que adentram na vida pública. É formado pelo cidadão do dia-a-dia, do universitário cansado da hegemonia esquerdista, é do empresário cansado da alta carga tributária, são os pais cansados de um ensino doutrinador, é o brasileiro enganado, é o aposentado que foi roubado pelo estado.

A luta é sua, brasileiro, que perdeu o seu emprego pelas inconsequências desmedidas da esquerda. É você que está cansado disso tudo. O embate é certo, não devemos esquecer. Não podemos mais “deixar para lá”. Ao “deixar para lá”, tomaram nossas instituições. Destruíram o nosso País. Nos usurparam dos nossos direitos fundamentais.

Uma república deve ser feita pelo império das leis, não pelo império dos homens. O preço estamos pagando por nossa leniência foi que homens tornassem nossas leis. Não mais. Não podemos mais pagar esse preço. Devemos retomar nossa verdadeira forma. Devemos retornar nossas instituições com dignidade, prudência e responsabilidade. A vida pública não deve ser superior que a vida privada. O estado não existe para que seja maior que os indivíduos. Ele existe para proteger a liberdade e a propriedade de todos os homens e não de alguns homens nas custas de outros homens.

Leia também:  Rede Globo, Miriam Leitão e a mediocridade do jornalismo no Brasil

Malo periculosam, libertatem quam quietam servitutem[7]. O som da perigosa liberdade sempre será mais forte e preferível que o silêncio da tirania. Devemos ser vigilantes para com a nossa liberdade. Devemos aprender com a história que o homem não pode prosperar sem sua liberdade e propriedade. É a nossa única – e principal – defesa contra a tirania.

Um dos maiores embaixadores que o Brasil teve a honra de ter, João Osvaldo de Meira Penna, deixou uma mensagem clara de como podemos mudar o jogo, ainda no ano de 1991: “No Brasil talvez só o Estado possa planejar o desmantelamento da própria estrutura nacional-estatizante do Estado burocrático. Vemos isso quando a tenebrosa reação dos corporativistas, patrimonialistas, clientelistas e fisiológicos procura, por todos os meios, combater esse desmantelamento. Mas que Mises e Hayek não se afobem: um dia eles aqui chegarão!”[8]

De fato, chegou, Professor. As ideias da liberdade chegaram e chegaram para ficar.

[1] Martim Luther King.

[2] MAKSOUD, H. Os poderes do governo. Editora Visão: São Paulo, 1984. P. 123.

[3] PENNA, J. O. D. M. Decência Já. Editora Nórdica: Rio De Janeiro, 1991. P. 63.

[4] Garschagen. B. P. 269. O FUTURO DA DEMOCRACIA

[5] João Paulo II.

[6] ACTON, J. E. E. D. The history of freeom and other essays  MACMILLAN AND CO., LIMITED: London, 1907.- P. 22.

[7] From Thomas Jefferson to James Madison, 30 January 1787. https://founders.archives.gov/documents/Jefferson/01-11-02-0095

[8] PENNA, J. O. D. M. Decência Já. Editora Nórdica: Rio De Janeiro, 1991. P. 150.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!