Entenda a diferença entre a esquerda carnívora e a vegetariana

Existe a esquerda carnívora e a vegetariana. Os carnívoros ou estão na cadeia ou esbravejando no parlamento para soltar os companheiros.

Os vegetarianos tentam se moldar aos novos tempos se travestindo para parecerem o que nunca foram, uns fantasiam-se de liberais e outros de conservadores.

O problema com os vegetarianos é que conservadores tendem a ser mais intolerantes que os liberais que acabam sendo traídos por seus próprios ideais.

Karl Popper já dizia que tolerância tem limite e que ser tolerante com quem pode colocar a nossa existência em risco é algo irracional e condenável.

Leia também:  CPMF é imposto de governo preguiçoso e autoritário

Ayn Rand também já alertava para a necessidade de polarizar para identificar o preto e o branco que estão escondidos nas zonas cinzas (por favor, isso é figura de linguagem, retórica, não me venham com insinuações sobre racismo).

Os liberais de verdade, não esses que se rotulam usando a expressão “liberal progressista” instituída pelos socialistas democráticos americanos, devem ficar alertas.

Lobos em pele de cordeiro é uma espécie que habita o mundo da política e quando menos se espera eles acabam tomando conta da cena e os tolerantes são empurrados para fora dos próprios movimentos que criaram.

Leia também:  A visão de um estudante conservador sobre o possível corte de verbas nas ciências humanas

Não é de hoje que esquerdistas vegetarianos tentam se passar por liberais. Lembrem-se dos neo-liberais que por conveniência político-partidária adotaram medidas econômicas que se fossem manter suas convicções não teriam adotado.

Eu acho que as pessoas mudam com o tempo mas sei também que mudar apenas de rótulo é muito mais fácil.

Liberais da terceira geração cuidado, você pode ir dormir com alguém que se diz liberal e acordar com um esquerdista vegetariano ao seu lado.

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Roberto Rachewsky

Roberto Rachewsky

Empresário e articulista.