De quem é a culpa: dos políticos ou dos empresários?

a sociedade onde prevalece a mentalidade coletivista. Num país onde a grande maioria da população tem aversão aos que têm sucesso, com legitimidade ou não. Nada mais conveniente do colocar empresários, certamente bandidos, como bodes expiatórios, como se fossem os mentores, os únicos beneficiados e únicos responsáveis por toda a criminosa operação.

O objetivo dessa estratégia tem um objetivo só, gerar um sentimento de comiseração para com os “coitados” agentes públicos, “ingênuos” servidores, merecedores da boa fé da população. Conveniente, muito conveniente.

É feita uma delação, premiada com a impunidade, onde os bandidos empresários se safam da prisão e acusam os servidores públicos com provas viciadas, questionáveis como a fita de áudio da conversa com o presidente, passível de contestação. Conveniente, muito conveniente.

O governo dá imunidade aos membros da quadrilha que entregaram seus cúmplices, mas por causa de problemas técnicos com a prova, não há a certeza de que é possível que se efetive a indiciação. Mesmo assim, a imunidade aos delatores se mantém, o que indica que em princípio, ninguém irá para a prisão. Todos os envolvidos diretamente na trama de mútuo favorecimento, passam incólumes por uma impensável conspiração. Conveniente, muito conveniente.

Os empresários bandidos refugiam-se nos Estados Unidos, na capital do mundo. Os servidores públicos refugiam-se onde sempre estiveram, na capital do crime organizado, Brasília.

Roberto Rachewsky

Empresário e articulista.