Como o homem mais rico do Brasil está fabricando seus próprios Macrons

O que diferencia uma teoria da conspiração de uma história bem contada? Muitas coisas, obviamente, mas creio que o mais importante seja o depoimento das testemunhas participantes de um processo. Quem vos escreve foi testemunha de como Jorge Paulo Lemann está produzindo uma fábrica de jovens de inteligência bem acima da média que entrarão para […]

O que diferencia uma teoria da conspiração de uma história bem contada? Muitas coisas, obviamente, mas creio que o mais importante seja o depoimento das testemunhas participantes de um processo. Quem vos escreve foi testemunha de como Jorge Paulo Lemann está produzindo uma fábrica de jovens de inteligência bem acima da média que entrarão para a política no médio prazo. Não se surpreenda se tivermos em 10 anos um time de políticos com altíssima inclinação para “o centro”. Quando digo “centro”, quero dizer uma esquerda limpinha que usa pullover, estudou em Harvard e fez carreira nas empresas do mesmo homem que pagou para irem estudar numa das melhores universidades do mundo.

O ano é 2012. Eu havia saído da Marinha há pouco mais de um ano e a melhor forma de pagar minha faculdade de engenharia (e ao mesmo tempo fazer dinheiro) era dar aulas particulares. Gostei da coisa e fui buscar uma instituição para trabalhar. Consegui entrar na disciplina de Matemática em uma grande rede de escolas do Rio de Janeiro especializada em concursos militares e pré-vestibulares. A escola estava em um ritmo frenético, pois havia recebido investimento da ordem de milhões de reais de um fundo de capitais para educação do Jorge Paulo Lemann. O ano anterior havia sido ótimo em termos de resultados e a palavra de ordem era crescer.

Entre os resultados recentes estava a aprovação de alunos para Harvard. Se você não está inteiramente ligado ao processo seletivo de uma faculdade americana, vai aqui um resumo: basicamente você presta o SAT (Scholastic Aptitude Test) que é similar ao ENEM americano. Depois disso, você envia uma série de documentos, entre eles o seu Currículo, após isso você estará apto para pagar (sim, não existe almoço grátis). Você fará isso por meios próprios ou por alguma instituição que pague para você. Para quem busca uma vaga em Harvard, Stanford ou qualquer uma das gigantes da Ivy League (as 8 melhores universidades americanas) não basta ser bom. Todos os alunos que chegam à fase de análise de currículo representam o que há de melhor nos bancos escolares.

Na escola onde eu trabalhava não era diferente. Todos que fizeram a aplicação na escola e tiveram aprovação eram alguns dos melhores alunos das turmas direcionadas para os concursos do IME (Instituto Militar de Engenharia) e ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), ambas suprassumo da intelectualidade em nosso país. Alunos extremamente fora da curva. É aí que entra de novo o homem mais rico do país. A Fundação Estudar foi criada em 1991 pelo empresário Jorge Paulo Lemann que custeia bolsas de estudo para graduação. Em troca do pagamento, geralmente a pessoa se compromete a trabalhar por 5 anos em uma das empresas que custeia o curso. Não é surpresa nenhuma que esses alunos que foram aprovados em 2011 já iniciam suas carreiras em empresas cujo proprietário é um homem já citado aqui nesse texto.

De 2 anos para cá, as aquisições de redes de escolas com o mesmo perfil da que eu trabalhei (com alto índice de desempenho, de preferência que tenha cérebros capazes de serem aprovados nos processos seletivos mais difíceis do país) se tornou recorrente. Claro que até aqui, a gente só viu um caso de um homem muito rico ajudando brasileiros (muitas vezes pobres, é verdade) a estudarem em bons lugares. É aí que entra o movimento denominado “Acredito”. Vários membros dele são criações do Modus Operandi que citei acima. Conheço alguns deles pessoalmente e posso afirmar aqui, como liberal que sou, que nenhum deles compartilha de respeito pelo livre mercado.

As coisas que acontecem no mundo levam uns 20 anos para acontecer no Brasil. Então, posso colocar na mesa agora que dentro de mais uns 10 ou 15 anos, veremos um time de gente muito inteligente, com uma história ótima de ser contada mas que compartilha de valores da esquerda. Deixo aqui uma pergunta para você ficar incomodado: estaria o homem mais rico do Brasil  fabricando Macrons em grande escala?

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal e Heitor Machado no Patreon!