Como mudar o debate político monopolizado pelos socialistas?

FHC diz que o povo deseja do governo coisas simples e diretas como decência, emprego, educação, saúde, transporte e segurança. Não, senhor FHC, do governo o povo quer apenas segurança e decência. Admiro-me ainda hoje que, com toda a sua cultura e experiência, segue sem saber o que nós liberais com cultura e experiência menores […]

FHC diz que o povo deseja do governo coisas simples e diretas como decência, emprego, educação, saúde, transporte e segurança.

Não, senhor FHC, do governo o povo quer apenas segurança e decência. Admiro-me ainda hoje que, com toda a sua cultura e experiência, segue sem saber o que nós liberais com cultura e experiência menores que o senhor, já sabemos. Sempre que o governo tenta oferecer algo mais do que segurança, ele perde a decência e o povo deixa de ter emprego, educação, saúde e transporte (algo que deveria ter por sua própria conta).

Ele diz também aos seus correligionários que o povo está enojado deles. Interessante que eles próprios não ficam enojados do que fazem.

Leia também:  O triste caso de Sakamoto, Vitral, Dimenstein e outros tiranos confessos

A consciência só é possível com a percepção da realidade, como então não sabem ainda quem são se sabem o que fazem? Deveriam sentir nojo de si mesmos ou então não têm consciência da realidade que produzem, portanto não têm consciência do seu próprio caráter.

É preciso mudar o eixo do debate político que vem sendo monopolizado pelos socialistas de todos os matizes há décadas e mais décadas.

Acho que é importante no atual estágio da política brasileira mostrar que a chamada direita é integrada por outras forças disputando o poder que têm suas próprias e inovadoras ideias, diferentes do que temos visto desde 1964.

Leia também:  STF enfraquece Lula, mas dá indicativos de que se renderá à impunidade

Os liberais e os conservadores devem intensificar o debate sobre suas diferenças, em vez de seguir discutindo com os socialistas. Isso irá trazer o eixo do debate para o nosso lado. Criaremos sinergia a partir do conflito mais do que se nos calarmos sobre o que nos afasta, ou ficarmos repetindo o que nos une.

Nossas divergências não nos enfraquecem, pelo contrário, se acreditamos nas nossas ideias, as diferenças nos fortalecem. Vamos monopolizar a atenção da opinião pública com nossos confrontos para tentar relegar os bandidos da esquerda ao lugar que merecem: o ostracismo e as manchetes da lava jato.

Liberais duelando com conservadores gentilmente, como legítimos cavalheiros. Quanto aos socialistas, bateremos neles com nossas forças conjuntas quando nos atacarem. Que esses incapazes caiam no esquecimento.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  A participação da renda do trabalho no Brasil é baixa?