fbpx

Economias planificadas destroem o meio ambiente mais do que qualquer outro sistema

Ao redor do mundo, as pessoas estão adotando a visão de que o sistema de livre mercado está falhando diante dos desafios associados às mudanças climáticas e outros problemas ambientais.  Mas os “excessos do capitalismo” são realmente os culpados?

Um argumento contra isso é o fato de que em nenhum lugar a destruição ambiental foi tão severa como nos antigos Estados socialistas. Em 1990, Zhores A. Medvedev fez um balanço da União Soviética: “A União Soviética perdeu mais pastagens e terras agrícolas para a contaminação radioativa do que a área total de terras cultivadas na Suíça. Mais terras foram inundadas por barragens hidrelétricas do que a área total da Holanda. Mais terras foram perdidas entre 1960 e 1989 devido à salinização, mudanças no lençol freático e tempestades de areia e sal do que as áreas totais de terras cultivadas na Irlanda e na Bélgica juntas. Em meio à escassez aguda de alimentos, a área total de terras cultivadas diminuiu em um milhão de hectares por ano desde 1975. A União Soviética está perdendo suas florestas na mesma proporção que as florestas tropicais estão desaparecendo no Brasil. No Uzbequistão e na Moldávia, o envenenamento químico com pesticidas levou a taxas tão altas de deficiência mental que os currículos educacionais nas escolas do ensino médio e universidades tiveram que ser modificados e simplificados”. Em seu livro de 1992, Ecocide in the USSR, Murray Feshbach e Alfred Friendly Jr. concluíram que “nenhuma outra civilização industrial envenenou sua terra, ar e pessoas tão sistematicamente e por tanto tempo”.

O Grande Salto Adiante de Mao

Em seu livro Enlightenment Now, Steven Pinker incluiu um gráfico que rastreia a intensidade do carbono, ou emissões de CO2 por dólar do PIB, de 1820 a 2014. Países como os Estados Unidos e o Reino Unido começaram a se industrializar, emitindo cada vez mais CO2 por dólar do PIB. Porém, a partir da década de 1950, o gráfico confirma claramente que as emissões vêm caindo cada vez mais. Os desenvolvimentos na China e na Índia seguem um padrão semelhante, com pico no final dos anos 1970 e meados dos anos 1990, respectivamente, antes de começar a cair novamente. Globalmente, a intensidade do carbono tem diminuído constantemente por mais de meio século.

Uma análise mais detalhada do gráfico confirma que a China foi um outlier extremo no final dos anos 1950, com a intensidade do carbono aumentando mais dramaticamente do que em qualquer outro país e em qualquer outro momento desde 1820. Isso foi inteiramente devido ao maior experimento socialista da história humana, o chamado “O Grande Salto Adiante” de Mao. Esse experimento causou não apenas a maior fome da história e matou 45 milhões de pessoas, mas também foi um desastre ecológico. As metas ambiciosas de Mao para a produção de aço só poderiam ser alcançadas com fundições de quintal de pequena escala operadas por moradores de todo o país. Muitos desses fornos não funcionavam adequadamente, produzindo nada mais do que lingotes de ferro de baixa qualidade, que se amontoavam por toda parte, tão pequenos e frágeis que eram inúteis para os modernos laminadores. No final de dezembro de 1958, até Mao foi forçado a admitir que 40% do aço estava inutilizável. Todo o aço que poderia ser usado fora produzido em usinas siderúrgicas convencionais, e os 40% inúteis vinham de pequenos fornos. Ao mesmo tempo, por causa dos fornos, as emissões aumentaram imensamente e a produção econômica diminuiu, o que explica a posição da China como um outlier absoluto no gráfico de intensidade de carbono.

Não foi a “busca desenfreada de lucro” pelos capitalistas, mas a economia de comando e o socialismo que causaram a maior destruição ambiental – não apenas na União Soviética e na China, mas em todos os países socialistas.

Catástrofe ambiental da Alemanha Oriental

Como observa o historiador alemão Hubertus Knabe, um especialista em história da Alemanha Oriental: “Um dos maiores destruidores do clima do mundo foi, na verdade, um país que aboliu o capitalismo – a RDA”. Com emissões de gases de efeito estufa per capita de até 21 toneladas por ano no final da década de 1980, o país estava emitindo ainda mais do que os EUA. Quando o capitalismo finalmente se firmou na Alemanha Oriental após a reunificação, as emissões de CO2 caíram rapidamente: de 333 milhões de toneladas métricas em 1989 para 164 milhões de toneladas métricas em 1995. As emissões também caíram significativamente em outros estados do antigo Bloco Oriental quando eles adotaram o capitalismo.

Perto do fim de sua existência, a RDA emitia mais de cinco vezes mais dióxido de enxofre do que a Alemanha Ocidental. Essas emissões tiveram um impacto enorme, incluindo a deterioração de florestas em grande escala nas cordilheiras baixas do país. As emissões de partículas finas também foram quase cinco vezes mais altas na RDA comunista do que na capitalista República Federal da Alemanha. No sul do país, onde as indústrias pesadas da RDA estavam amplamente concentradas, quase uma em cada duas crianças sofria de doenças respiratórias e quase uma em cada três tinha eczema. Após o fim da economia planejada, as emissões de dióxido de enxofre e partículas caíram drasticamente.

O quadro é o mesmo quando se trata da poluição dos corpos d’água. Quase metade de todos os rios importantes da RDA estavam biologicamente mortos em 1989. Setenta por cento não podiam mais ser usados ​​como fontes de água potável. Quase metade dos habitantes da RDA tinha acesso limitado ou nenhum acesso a água potável limpa quando abriram a torneira. Essa poluição foi devida à alta entrada de nitrogênio, fósforo, metais pesados ​​e outros contaminantes nos corpos d’água do país – outra coisa que diminuiu imensamente após a reunificação alemã.

O Capitalismo é o culpado?

O historiador Hubertus Knabe também observa: “Como muitos ativistas do clima hoje, a liderança da RDA sustentava que a única maneira de resolver os problemas ambientais era abolir o capitalismo. Na sua opinião, a exploração implacável da natureza era resultado direto da ganância das corporações por lucro, que precisava ser substituída pela razão e pelo planejamento para a sociedade como um todo. Isso, eles afirmavam, só era possível sob o socialismo. ”

O capitalismo é realmente a causa da mudança climática e da destruição ambiental?

Em 2020, pesquisadores da Heritage Foundation compararam as classificações dos países em seu próprio Índice de Liberdade Econômica com as do Índice de Desempenho Ambiental (EPI) da Universidade de Yale e descobriram que os países mais economicamente livres – ou seja, os mais capitalistas – também tiveram as pontuações mais altas do EPI, com média de 76,1, enquanto os países “quase totalmente livres” tiveram média de 70,2. Existe então uma lacuna significativa entre estes e os países “moderadamente livres”, cujo desempenho ambiental foi muito inferior (59,6 pontos). Os países “quase sem liberdade” e “reprimidos” tiveram de longe as piores classificações de desempenho ambiental (46,7 e 50,3 pontos no EPI, respetivamente). Claramente, o meio ambiente não difere de tantas outras áreas da vida: o capitalismo não é o problema, é a solução.

Rainer Zitelmann

Rainer Zitelmann

É doutor em História e Sociologia. Ele é autor de 22 livros, lecionou na Universidade Livre de Berlim e foi chefe de seção de um grande jornal da Alemanha.