fbpx

Por que qualquer sistema social que se baseia no coletivismo é injusto e ineficiente?

O consenso afasta no tempo a solução perfeita, porque, se a verdade leva tempo para percorrer mentes iluminadas até chegar ao esperado destino, imaginem aquelas que não sabem que há um ponto de partida ou de chegada, porque nunca viram a luz.

Nessa relação entre tempo e resultado, o valor médio do todo sempre será injusto com aqueles cuja relação tempo e resultado absoluto particular não coincidir com a média universal.

Na realidade, sempre haverá injustiça nos processos coletivistas, o que não acontece onde o individualismo, baseado no autointeresse racional, predomina.

Quem tiver uma relação tempo e resultado superior à média universal receberá os frutos do pensamento alheio antes de entender o que está acontecendo, enquanto quem tiver uma relação inferior terá que esperar pelo que já sabe como se pudesse prever o futuro.

É por isso que qualquer sistema social que se baseia no coletivismo e não no individualismo é injustamente ineficiente para os melhores, aqueles que adaptam suas mentes para obterem respostas mais rápidas; e injustamente eficiente para os retardados, no sentido de ficarem para trás, ou seja, aqueles que não conseguem ajustar suas mentes a ponto de acompanhar sequer a média do todo.

Aqueles cujas mentes não permitem que seus portadores alcancem os demais, porque seu processo mental intrínseco impede que a transformação constante de ideia em ação – e desta naquela – possa ser acelerado de maneira exógena de forma significativa.

A própria tentativa de acelerar de fora para dentro um processo de geração de eficiência acaba gerando entropia, atrasando o protagonista dessa ação, reduzindo então a média universal.

A única maneira de trazer o ponto médio da equação para os que ficam para trás com suas relações ineficientes é usando a coerção contra os mais eficientes para reduzir a velocidade na transformação de ideias em ação e vice-versa.

Esse retardamento forçado é o que almejam os processos democráticos.

Em outras palavras, há um momento em que carregar os outros nos ombros acabará com todos e “dar de ombros” é nada menos do que reinstaurar a justiça de maneira tal que ela volte ao ponto do qual nunca deveria ter sido retirada.

O consenso, portanto, é sempre injusto e deve ser substituído pelas relações voluntárias entre indivíduos, buscando e oferecendo o que há de melhor sob uma ordem espontânea em que o mérito seja o ponto comum a todos.

Roberto Rachewsky

Roberto Rachewsky

Empresário e articulista.