fbpx

Por que as empresas contratam jornalistas de esquerda?

No seriado Mad Man, o dono da agência de propaganda foi questionado por um dos seus subordinados sobre o fato de ele possuir um quadro abstrato surrealista, sendo ele admirador de Ayn Rand.

O publicitário respondeu que ele havia comprado aquele quadro não porque gostasse da obra, mas porque ele via ali a oportunidade de ganhar dinheiro vendendo com lucro para os pós-modernistas que gostam de obras feias sem sentido.

É óbvio que o investimento feito naquele quadro só ocorreu porque o mercado de obras feias, surreais e sem sentido não apenas existia, como era lucrativo.

As empresas que contratam jornalistas de esquerda não o fazem, na maior parte das vezes, porque seus donos são de esquerda. Não. Eles contratam porque a oferta de jornalistas de esquerda é abundante e o público aceita a porcaria que escrevem, como os apreciadores de obras ruins pagam fortunas por elas.

A questão vista por esse ângulo é clara. É preciso interferir nos incentivos que fazem os capitalistas investirem em pessoas que gostariam de destruí-los, pelo menos em abstrato.

É preciso despertar nos consumidores de notícias e comentários o gosto pelo que é verdadeiro e certo, pelo individualismo, pelo capitalismo, ao contrário do que se tem visto com a aceitação do politicamente correto.

É preciso trabalhar duro para que o público rejeite em massa aquilo que temos visto sendo publicado predominantemente na mídia mainstream, ódio aos bons por serem bons e exaltação dos ruins por serem ruins.

É preciso que os anunciantes, apreciadores do capitalismo, sistema social que permite que eles possam existir de forma moral, direcionem suas verbas publicitárias patrocinando quem não defende bandido, seja o que assalta e mata nas ruas, seja o que usa a coerção estatal para impor suas pautas coletivistas estatistas.

Todo empresário muda de ideologia quando começa a faltar dinheiro no caixa.

É por isso que se deve defender a separação do governo da economia, a proibição constitucional de gastos estatais com propaganda de governo de qualquer tipo.

Empresas jornalísticas fundeadas pelo governo não diferem em nada dos partidos políticos que recebem dinheiro dos fundos partidário e eleitoral.

Esse canal de financiamento, baseado na coerção desde a origem, protege quem recebe o dinheiro de ter que se submeter à vontade do eleitor ou, no caso da mídia, do leitor e do anunciante.

Roberto Rachewsky

Roberto Rachewsky

Empresário e articulista.