A participação da renda do trabalho no Brasil é baixa?

É comum escutarmos que o Brasil é o país dos rentistas, a frase costuma ser justificada pela impressão que grande parte da renda nacional vai para investidores do mercado financeiro ficando apenas uma pequena parte para os donos do dito capital produtivo e uma parte ainda menor para os trabalhadores. O objetivo desse artigo é avaliar se a parte da renda que vai para o trabalho no Brasil é de fato muito baixa quando comparada a de outros países.

Para saber se a renda do trabalho no Brasil é muito baixa serão usados os dados da Penn World Table, uma base de dados que cobre 182 países com informações para o período de 1950 a 2014 e informa a participação da renda do trabalho no PIB dos países. Para fins de análise serão considerados os países que possuíam mais de vinte milhões de habitantes em 1995. Antes de mostrar os números é importante registrar que o cálculo da participação da renda do trabalho na renda total não é algo trivial, fatores como informalidade, forte presença de pequenas empresas ou mesmo a composição setorial da economia podem distorcer os resultados obtidos. Caso deseje saber mais detalhes a esse respeito ver o artigo “Getting Income Shares Right” de Douglas Gollin publicado no Journal of Political Economy, a respeito dessa questão para o Brasil o leitor pode dar uma olhada no artigo “Long-run Implications of the Brazilian Capital Stock and Income Estimates” que escrevi junto com Victor Gomes e Mirta Bugarin e foi publicado na Brazilian Review of Econometrics. Naturalmente as dificuldades não impedem o uso dos dados, o fundamental é que procedimentos compatíveis foram usados para obter os números de cada país de forma que a comparação entre os países faça sentido.

Leia também:  Educação no Brasil: Sim, doutor. Você é o co-autor do caos

Feitas as ressalvas, passemos aos números. Se considerarmos os trinta e seis países com dados disponíveis para todo o período e mais de vinte milhões de habitantes em 1995 temos que o valor médio da participação da renda do trabalho foi de 0,51, ou seja, na média dos países e dos anos o trabalho ficou com 51% da renda. Na mesma amostra de países a mediana foi de 0,52, o país com maior participação do trabalho na renda foi a Rússia com 72% e a menor participação foi observada no Iraque com apenas 22%, provavelmente por conta do petróleo. No Brasil o trabalho ficou com aproximadamente 55% da renda, não é um valor alto, mas também não é baixo. Ficamos acima da média, da mediana e acima de países como a Itália e a Coreia do Sul.

Leia também:  Liberais por conveniência ou por convicção?

Quem me acompanha sabe de minhas reservas quanto a comparações entre países emergentes e países ricos, por conta disso repeti o exercício considerando apenas os países classificados como renda média alta pelo Banco Mundial. Nessa amostra a média foi 0,48 e a mediana foi de 0,51. Novamente ficamos acima da média e da mediana, de fato, considerando apenas esse grupo de países, ficamos com a quinta maior participação do trabalho na renda.

Os números desse artigo não permitem falar sobre os rentistas, mas sugerem que a participação do trabalho na renda no Brasil não é pequena quando comparada ao observado em outros países. Lembrem disso da próxima vez que esbarrarem em alguém dizendo que os trabalhadores brasileiros são muito explorados e que toda a renda vai para o capital.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  Alterar a política de preços da Petrobras é populismo