Para que serve um título acadêmico?

É ponto pacífico entre economistas: nem infLaura, nem Gustavo Franco deixam de concordar que a educação é essencial para o aumento da produtividade.

Para surpresa minha, vi que o Brasil quintuplicou seu número de mestres e doutores nos últimos 20 anos, não se traduzindo em efetivo aumento de qualquer fator que não sejam os títulos. Produtividade, número de patentes registradas, riqueza, diminuição da desigualdade. Nada disso acompanhou a impressora de títulos acadêmicos. Além disso, não fizemos esse inflacionamento de diplomas acompanhado por uma abertura comercial, uma reforma amigável ao ambiente de negócios. A União soviética também tinha um número absurdo de doutores, até mais que os EUA.

Leia também:  Recuperação Lenta e Gradual da Economia: PIB Cresceu 1,1% em 2018

Você também deve ter visto o caso do biólogo pós-doutor que dá aulas de surf para se sustentar e pela primeira vez depois de se formar está voltando a morar com a mãe. A conta chegou. Nunca nos preocupamos em formar para produzir riqueza, mas para conceder uma espécie de título de nobreza, um atestado de anos de estudo ao invés de um atestado de inteligência.

No país onde a profissão que mais remunera é ser dono de cartório, um título sem valor real atesta que você apenas ficou muitos anos na academia. Se você reclamar dessa política nas últimas décadas, ainda será taxado como quem odeia ver filho da empregada na faculdade.

Leia também:  Não se constrói o mundo ideal através da coerção

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Heitor Machado

Heitor Machado

Heitor Machado é Gerente de Projetos tendo trabalhado em multinacionais de engenharia de construção e software de gerenciamento.