Nenhuma das reformas do governo muda o essencial

Não se iludam: mesmo com a reforma trabalhista, o empregador continuará sendo considerado vilão e o empregado um coitadinho.

Mesmo com a reforma previdenciária, a base moral do sistema demanda que você se sacrifique a vida toda para sustentar alguém que você nem conhece, independentemente da sua vontade.

Mesmo com a reforma política, os políticos, em nome de voláteis maiorias, continuarão com o poder de violar os direitos individuais do povo para concederem para si e para outros privilégios através da coerção das leis.

Mesmo com a reforma fiscal, imposto continuará sendo roubo e o governo seguirá praticando-o.

Ou seja, nenhuma dessas reformas muda o essencial.

A reforma trabalhista não reconhece que aquilo que duas pessoas combinam entre si deve ter força de lei, servindo de parâmetro para guiar a justiça nos conflitos entre o empregador e o empregado, independente da CLT.

A reforma previdenciária não reconhece que ninguém deve ser obrigado a dedicar a sua vida a sustentar a imprevidência alheia e que sua única responsabilidade como indivíduo é prover apenas a sua própria previdência.

A reforma política não reconhece que político algum, em nome da maioria que for, pode dispor da vida, da liberdade e da propriedade de quem quer que seja através do uso da força, nem mesmo criando leis.

A reforma fiscal não reconhece que o governo não pode usar a força para destituir qualquer indivíduo daquilo que ele obteve legitimamente, nem mesmo o que financiaria o seu funcionamento porque sua função é proteger os direitos individuais e não os violar.

Não se iludam, as reformas servem apenas para manter os escravos vivos e trabalhando.

Será preciso refundar o Brasil sobre outra base ética que diz que não se deve sacrificar alguém pelos outros e nem os outros por alguém.

Cada um almejando criar valor para si acabará criando valor para outros.

É a cooperação voluntária através do sistema de livre criação de ideias, produção de bens e trocas para mútuo benefício que permitirá às pessoas florescerem para atingir a prosperidade.

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  Neurociência, tomada de decisões e a responsabilidade dos CEOs em tragédias
Roberto Rachewsky

Roberto Rachewsky

Empresário e articulista.