Escassez de comida e o embargo americano em Cuba: uma verdade para difundir uma velha mentira

NÃO SE ENGANE
Com essa matéria:


Ela traz uma verdade para difundir uma velha mentira.
Sim, é um fato que os cubanos vivem uma calamidade alimentar. Proteína animal é artigo de luxo. Leite, só em pó. A grande maioria da população depende diretamente do governo para viver há quase 60 anos.

Porém, a razão da matéria da BBC não é informar o público sobre o desastre que é o socialismo, mas afirmar que ele é causado pelo embargo americano. Um completo absurdo. 

Aos fatos:
O embargo NÃO impede Cuba de estabelecer relações comerciais com outros países. Porém, o que o país tem para vender ao mundo? Com que dinheiro ele compraria produtos de outros países? Cuba não tem dinheiro, porque não produz nada!

Uma das primeiras medidas da “revolução” foi o fim das relações comerciais com os Estados Unidos. Foi o que fizeram, enquanto iniciaram um amplo programa de confisco de todas as empresas e propriedades privadas, urbanas e rurais. O resultado disso foi a completa destruição da economia do país, transformando um dos países mais desenvolvidos do mundo (o 2° das Américas), num dos mais atrasados, deficitário desde sempre, vivendo da ajuda de outros regimes socialistas, de governos europeus e do dinheiro de turistas, de dissidentes que enviam aos parentes que continuam na ilha e do aluguel de profissionais a outros países.

Em 60 anos de controle completo da economia, os socialistas não conseguiram sequer fazer granjas funcionarem, para oferecer ovos e carne de frango às pessoas. 

Cuba é miserável, porque as pessoas não têm liberdade para empreender, para prosperar, enriquecer, acumular capital, obter propriedade sobre seus lucros, terras e negócios, distribuir renda por meio do mercado. Tudo é controlado pelo governo, que, por sua vez, se dedica ao controle social e político. A velha obsessão pelo poder, que caracteriza o socialismo. 

Cuba e Coreia do Norte são os dois únicos países do mundo que proíbem seus cidadãos de deixarem o país.
Os “avanços sociais” em Cuba são outra grande mentira. Doenças como dengue e cólera são comuns – mas lá, ganham apenas o nome de “febre”. 

A educação é voltada para a formação de militantes. Os hospitais são imundos. A taxa de mortalidade infantil é baixa, porque o aborto é sistemático. Os dados sociais sobre Cuba são fornecidos pela própria ditadura, que não permite inspeções de órgãos internacionais.

Voltando ao embargo americano e fantasiando que ele tenha alguma responsabilidade sobre a penúria econômica do país, qual a condição imposta pelos Estados Unidos para acabar com ele?

Que os socialistas devolvam a liberdade política ao país, realizem eleições livres, restabeleça os direitos econômicos, intelectuais e civis dos cidadãos e liberte presos políticos.

Os socialistas de lá e de cá acham essas exigências absurdas.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  Jair Bolsonaro e a esperança de um Brasil de disciplina, ordem e progresso