Devemos agradecer a Lula e Dilma pelo fenômeno da “Primavera Liberal”

Não estou surpreso de termos tantos economistas liberais no governo.

Os economistas da esquerda que não estão mortos estão presos ou a ponto de irem parar no manicômio.

Os que não têm nenhum desses problemas simplesmente estão desacreditados depois de décadas de desgoverno.

Uns poucos, mais esclarecidos, se bandearam para o lado que tolera o mercado, uns por conversão ideológica, outros para não ficarem desempregados, sem ofício.

Devemos agradecer esse fenômeno, que o Gustavo Franco está chamando de a “Primavera Liberal”, aos economistas de Lula e Dilma Rousseff.

Leia também:  Não, Haddad. Sua derrota não será “culpa do Neoliberalismo”

Todo mundo sabe que Carl Menger, Bohm Bawerk e Mises não teriam tido relevância se não tivesse havido o Comunismo.

Ninguém duvida que os Chicago Boys, discípulos chilenos de Milton Friedman, não seriam incensados sem os patifes da Cepal, Raul Prebish, Celso Furtado, José Serra, FHC e Pedro Vuskovic, que foi ministro da economia de Salvador Allende.

Hayek, teórico entre outras coisas da moeda desestatizada, seria um desconhecido se o mundo não tivesse acreditado nas ideias de John Maynard Keynes.

Lembrem-se: antes de todo o esplendor proporcionado pela primavera, temos que suportar os rigores do inverno.

Leia também:  Alterar a política de preços da Petrobras é populismo
Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!