Por que Hayek foi o gigante do século XX?

Em minha modesta opinião Friedrich August Hayek foi o maior economista do século XX. Hayek tem no mínimo 3 contribuições gigantescas para a teoria econômica, e ao menos mais uma para as ciências sociais. Em primeiro lugar, seu artigo “The Use of Knowledge in Society” (American Economic Review, v. 35 (September), pp. 519–530) é considerado […]

Em minha modesta opinião Friedrich August Hayek foi o maior economista do século XX.

Hayek tem no mínimo 3 contribuições gigantescas para a teoria econômica, e ao menos mais uma para as ciências sociais. Em primeiro lugar, seu artigo “The Use of Knowledge in Society” (American Economic Review, v. 35 (September), pp. 519–530) é considerado até hoje um dos melhores e mais influentes artigos já publicados na área de economia. Em segundo lugar, Hayek também tem contribuições seminais na área de ciclos econômicos. Segundo ele, ciclos econômicos eram gerados por erros de gerenciamento da política monetária. Por exemplo, expansões artificiais de crédito levariam a uma má alocação dos investimentos. Esse efeito se caracterizaria por um crescimento inicial (na fase de expansão do crédito artificial), seguido de uma forte recessão ao final do período. Notem que a explicação de Hayek se adequa muito bem a crise atual da economia brasileira. Por fim, temos a defesa ardorosa de Hayek em favor da moeda privada (um segmento que ganha força a cada dia com diversas moedas eletrônicas). Para Hayek era arriscado demais dar ao governo o monopólio da emissão de moeda. Os surtos inflacionários seriam evitados caso tivéssemos várias moedas privadas competindo no mercado.

Leia também:  Parceria de Facebook com agências “checadoras de fatos” gera reação em defesa da liberdade de expressão

Entre suas contribuições as ciências sociais destaca-se o monumental: Law, Legislation and Liberty. Um livro denso que mostra a preocupação de Hayek com as fraquezas do sistema democrático e como o mesmo poderia ser aprimorado para garantir a liberdade individual.

Muitos me pedem para indicar um livro de economia para a leitura. Nunca tenho dúvidas. Se você pretende ler um único livro de economia em sua vida, então leia: O Caminho da Servidão. Obra prima de Hayek que chega ao seu brilhantismo no Capítulo 10: “Por que os piores chegam ao poder?”. O livro mostra como na ausência de um sistema de liberdade de preços teremos inevitavelmente a coerção física para obrigar as pessoas a fazerem tarefas e trabalhos que de outra maneira não aceitariam fazer. Um livro sensacional, didático (sua leitura é extremamente fácil mesmo para não-economistas), extremamente intuitivo, e certamente uma das obras mais importantes do século XX. O Caminho da Servidão era o livro de cabeceira da primeira ministra inglesa Margareth Thatcher.

Leia também:  O Facebook é uma empresa privada — e por isso mesmo tem regras a seguir

Claro que o século XX nos presenteou com outros gigantes da teoria econômica. Se tivesse que ordenar os 5 maiores do século XX: 1) Hayek; 2) Friedman; 3) Lucas; 4) Gary Becker; e 5) Arrow. Mas sejamos francos, temos vários outros craques: Coase, Buchanan, Douglass North, Barro, Mises, Prescott, Hicks, Debreu, Ramsey, entre outros.

Deixei de fora dois outros que são geniais, mas que não sou fã: Samuelson e Keynes (embora sempre se possa dizer que a grande contribuição de Keynes foi fazer Ramsey estudar economia… piada de mau gosto).

E brasileiro, será que temos algum que se pode sentar a mesa dos gigantes? Em minha opinião dois deles tem chances: Aloisio Araújo e Joao Ricardo Faria.

Leia também:  Antes de candidatos, precisamos discutir as eleições

Para finalizar, vocês sabem qual foi uma das mais admiráveis características de Hayek? Era a boa educação no trato com adversários de debate. Temos muito a aprender com Hayek. Ele foi um gigante, e com toda sua boa educação dedicou sua obra prima (O Caminho da Servidão) a todos os socialistas do mundo. Só um gigante pode se dar a esse luxo.

Quer aprender um pouco mais sobre a obra de Hayek e da Escola Austríaca? Faça já sua inscrição no Curso Completo de Escola Austríaca.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!