Os ‘rapefugees’ da Alemanha: o que a imprensa não vai contar?

Breaking_NewsO que a imprensa bananeira não vai te contar sobre os desdobramentos da crise dos refugiados na Alemanha:

– Segundo o Bild, o jornal não-asiático mais vendido do mundo, a polícia foi orientada a não reportar ou dar publicidade aos crimes cometidos por refugiados para não deixar que o problema seja “instrumentalizado pela extrema-direita”. Você leu corretamente, a polícia alemã está sendo acusada de esconder a vastidão dos crimes há meses por motivação política do governo Merkel. Outras agências de notícias também reportaram a operação-abafa das autoridades policiais da Alemanha.

– A Alemanha recebeu em 2015 o número recorde de 1,1 milhão de refugiados, o maior contingente na Europa e cinco vezes mais do que o pais recebeu no ano anterior.

– Refugiados estão sendo atraídos por quadrilhas locais para cometer assaltos, traficar drogas, entre outros crimes. O problema é ainda maior do que parece. O jornal diz que alguns refugiados começam a cometer crimes assim que entraram no país.

Leia também:  Por que a China foi a grande vencedora no acordo entre EUA e Coreia do Norte

– Um crime comum é o roubo de celulares, muito populares entre os próprios refugiados. Há um mercado negro enorme de celulares roubados entre eles.

– Autoridades alemãs estimam que serão gastos 17 bilhões de euros este ano pelo governo com refugiados no país.

– Angela Merkel, que aparece na foto do post fazendo selfies com refugiados, está sob fogo cruzado de ambos os lados da política do país. A esquerda critica Merkel por suas declarações abstratas contra o multiculturalismo, a direita reclama da frouxidão das regras de imigração e da lentidão para deportar criminosos.

– A prefeita de Colônia, cidade onde houve mais registros de crimes na noite de Ano Novo, declarou que vai publicar nos próximos dias um “código de conduta” para as mulheres da cidade, como se a culpa de “provocar” os estupros fosse delas. É a assimilação de idéias nada ocidentais que tratam mulheres como cidadãs de segunda classe e responsáveis pelos crimes que os homens cometem, como as esposas de maridos adúlteros que são apedrejadas em praça pública. Há países em que o testemunho de uma mulher num tribunal não é sequer levado em conta.

Leia também:  Fernando Haddad e a falta de autocrítica do PT

– Sábado, a polícia de Colônia dispersou com jatos de água uma manifestação de mais de mil pessoas que protestavam contra Merkel e os “rapefugees”, um neologismo que junta “rape” (estupro) e “refugees” (refugiados).

– A esquerda da cidade também protestou ontem, classificando a reação contra os refugiados de “nazista”.

– Segundo relatos dos manifestantes de ontem, a polícia da cidade de Colônia estaria sem saber o que fazer e que não “ousava tocar” em refugiados para não ser classificada de racista.

Podem anotar: os problemas mal começaram. A politização dos crimes cometidos por imigrantes na Alemanha promete ser o maior de todos os crimes.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  O esporte pode sim formar a juventude por meio de valores supremos: resposta ao blog Pragmatismo Político

Comentários

  1. Eu não gosto da religião islâmica. Acho ela detestável. Acho as ideias dos islâmicos detestáveis, inclusive dos moderados. Mas eu coloquei a questão de barrar ou não em um comentário mais abaixo, porque acredito que deve ser colocada. É muito fácil decidir a vida dos outros sem se colocar no lugar. Eu gostaria que houvesse um meio de impedir 100% dos estupros antes que aconteçam, mas parece que no momento isso não é possível. Estou plenamento de acordo em tratar os refugiados sem nenhuma deferência. Praticou um crime, vai pra cadeia. Mas me incomoda colocar justos e pecadores no mesmo saco.

  2. Eu desde o início, emito uma opinião que a maioria refuta: Cada um que lute pelas suas terras e pela liberdade de seu país. Nunca acreditei nos “motivos” desse êxodo. Estou enfrentando problemas muito grandes por esse posicionamento.
    Se o face não desapareceu com as minhas postagens, elas estarão ainda lá para mostrar o que penso de tudo isso.Já sofri agressões verbais aqui em Hamburgo, duas vzs por mulheres cobertas, com burka mesmo, e uma vez por um homem, pq defendi uma mae de duas crianças que ele destratou. Esses muçulmanos da faixa de seus 50 a 70 anos, qd estao em algum lugar onde eles possam observar uma mulher desacompanhada, eles costumam escarrar e cuspir para o seu lado. Eu percebi logo qd cheguei e comentei com outras brasileiras, e tive confirmação que não era viagem minha. Eu sou uma mulher discreta e que se veste de forma elegante, não se pode nem dizer que sou uma brasileira que se veste mais ou menos por aí…. Já com as alemãs, eles só têm esse tipo de atitude hostil, se elas estiverem vestidas de forma mais extravagante. Um dia desses, talvez há uns 6 meses, relatei uma cena numa estação de metrô, que me deixou chocada, de um velho que passou umas 15 vezes na frente de uma garota com traços orientais, mas certamente alemã também, muito bonita, que vestia uma calça justa com uma camisa à altura da cintura, era verão, ela nao estava fora do padrao de elegância para uma jovem com tal figura…. ele ia para lá e para cá, numa linha de no máximo tres metros, muito próximo a ela olhando diretamente para seu sexo, eu já estava procurando um policial, mas nao havia, um ônibus chegou, ela deu um olé, e ele foi no ônibus e ela ficou… Eles são nojentos, e as mulheres de “pano na cabeça” (só descrevo assim) são umas bruxas. Quando são jovens, se pode perceber a presunção que elas carregam; se acham superiores debaixo daqueles panos…. vivem em guetos e fazem questao disso. Não se integram porque não desejam.
    Por outro lado há muitos jovens nascidos aqui, que se comportam de forma normal e que me causam curiosidade; se seriam muito espertos mesmo para se darem bem profissionalmente, ou se no fundo gostariam de não serem nascidos em famílias assim…. Só Deus para me proteger e iluminar pq vivo em meio a eles….

  3. O que o colunista recomenda: fechar as fronteiras? Imaginem, meu país está sendo bombardeado e eu tento entrar no Paraguay. Eu não sou estuprador, mas há brasileiros que sim. O Paraguay não vai deixar eu entrar? Mas eu não sou esturprador. Por que tenho que pagar pelos pecados dos outros?

    • Nem todos são estupradores, mas praticamente todo muçulmano é a favor da lei da sharia. Se um grupo dito como pacífico quer adentrar num país mas quer levar suas leis e costumes retrógrados que ferem as leis daquele país, devem ser barrados veementemente.

      • Realmente ninguém pode ser penalizado por atos de terceiros, ainda mais quando dos muitos que se dizem vítimas sequer são vítimas de verdade, apenas fingem ter passado por aquela situação.

    • Certamente não é caso de fechar as fronteiras, mas de investigar mais rigorosamente os antecedentes dos que pedem asilo e, principalmente, aumentar a pressão sobre países islâmicos para receber refugiados também. Países ricos em petróleo como Arábia Saudita, Irã e Emirados Árabes Unidos simplesmente não aceitam refugiados. É de uma petulância imoral achar que a responsabilidade por essas pessoas é só do Ocidente, enquanto sauditas e iranianos vivem financiando grupos terroristas.

      No caso de aceitar os refugiados sem antecedentes, é primordial se certificar que eles tenham em mente que é ELES que precisam se adequar à cultura dos países que os recebem e não o contrário. É um absurdo que eles tenham liberdade de impor a sharia em suas comunidades. Isso é um estado dentro do estado. Os países europeus precisam agir com firmeza e força para impedir o surgimento das no go zones e dissolver as que já existem e deportar os que se recusarem a se submeter a suas leis. Precisam adotar uma política de tolerância zero quanto a isso. É ridículo que os muçulmanos busquem a estabilidade e o amparo do bem estar social europeu e se recusem a abandonar os costumes bárbaros que, em última análise, foi o que tornou seus países intoleráveis a ponto de eles precisarem emigrar.

      • Isso é inviável. Como vamos ler a mente dos que entram. E como vamos pesquisar antecedentes, se eles vêm de um país sucateado? Inviável isso, Angelo.

    • Não seja burrinho.para pensar antes de escrever ok? esta técnica sua é muito fraca

    • Quer uma sugestão do que fazer? Que tal aplicar a lei penal alemã aos casos concretos? Quem comete crime deve responder judicialmente pelos atos infracionais praticados, nos termos da lei. A Lei Penal Alemã, a ser aplicada no território alemão deve valer para todos, independente da origem ou condição social. Não sei se você compreendeu a discussão, mas estamos falando de refugiados que se abrigaram no território alemão E cometeram crimes (as duas coisas juntas).

      • Eu não gosto da religião islâmica. Acho ela detestável. Acho as ideias dos islâmicos detestáveis, inclusive dos moderados. Mas eu coloquei a questão porque acredito que deve ser colocada. É muito fácil decidir a vida dos outros sem se colocar no lugar. Eu gostaria que houvesse um meio de impedir 100% dos estupros antes que aconteçam, mas parece que no momento isso não é possível. Estou plenamento de acordo em tratar os refugiados sem nenhuma deferência. Praticou um crime, vai pra cadeia. Mas me incomoda colocar justos e pecadores no mesmo saco.

  4. Só queria entender o porque a esquerda permite/se agrada… que refugiados ajam assim, já ouvi ouvi vários argumentos mas não consegui entende-los, realmente a esquerda é muito burra , será que não percebem que esse MONSTRO que estão criando vai engoli-los?!

  5. O site Gatestone Institute preenche perfeitamente esta lacuna ideológica-criminosa da imprensa:
    http://pt.gatestoneinstitute.org/