PT vai ignorar o discurso de “foi golpe” de olho em 2018

Após o impeachment, o Partido dos Trabalhadores poderia ter buscado uma reestruturação interna, reconhecendo seus erros – que levaram o país à maior recessão de sua história e mais de 14 milhões de brasileiros ao desemprego.

O PT, no entanto, se mostrou incapaz de qualquer autocrítica. O diretório nacional do partido manteve o discurso de que houve um rompimento da ordem democrática por meio de “um golpe parlamentar”, e de que se rasgou a constituição. A saída pela porta dos fundos do Palácio do Planalto se deu, segundo os petistas, em um movimento da mídia com o “Grande Capital”, impulsionada pela Operação Lava Jato.

As diretrizes dos últimos 2 anos, no entanto, estão prestes a entrar em colisão com seus movimentos em busca de disputar a cadeira presidencial em 2018. Dessa forma, Luís Inácio Lula da Silva e seu partido se preparam para fazer uma “escolha de Sofia” de olho em 2018:

  1. Manter o discurso de que “foi golpe”, fazer aliança apenas com partidos que se posicionaram contrários ao impeachment e ter uma campanha institucionalmente fraca; ou
  2. Ignorar a narrativa construída, trair sua militância e reatar com o establishment político brasileiro em busca de alianças que garantam uma campanha forte para 2018.

A primeira opção limitaria o PT a fazer aliança tão somente com PC do B e o PDT, sendo que estes partidos indicam interesse em lançar Manuela D’Avila e  Ciro Gomes ao pleito presidencial. Com poucos cabos eleitorais locais (prefeitos), além de menos tempo de rádio e TV, inevitavelmente esse caminho levaria a uma campanha nacional institucionalmente fraca.

A alternativa, porém, fará Lula se apresentar como um político acordado com o establishment. Isso o fará perder, em parte, a identidade de um político de esquerda perante seus apoiadores e simpatizantes, que abraçaram o discurso de que houve um golpe parlamentar e que o impeachment de Dilma “rasgou a constituição”.

Há vários indicativos de que o PT vai ignorar o discurso de “golpe”, adotando a segunda opção, a ver:

Portanto, há uma preparação do anúncio que deve vir no início de 2018. Se nos anos 1990 Lula dizia que, para chegar à Presidência, Brizola seria capaz de “pisar no pescoço da própria mãe”, o PT pisará em sua própria militância em busca de retomar seu poder em 2018. Lamentável que massa de manobra não aprende nunca.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  Impressões sobre o liberalismo no nordeste contemporâneo