O que pode ocorrer com a economia brasileira em 2018?

Antes de ler as previsões para 2018, talvez você queira ler sobre previsões passadas feitas por mim. Verá que meu índice de acerto é razoavelmente elevado. Para 2018 teremos a famosa calmaria que precede grandes tempestades. 1) O PIB deve crescer em torno de 2,5%. 2) A inflação (IPCA) deve ficar ao redor de 4%. […]

Antes de ler as previsões para 2018, talvez você queira ler sobre previsões passadas feitas por mim. Verá que meu índice de acerto é razoavelmente elevado.

Para 2018 teremos a famosa calmaria que precede grandes tempestades.

1) O PIB deve crescer em torno de 2,5%.

2) A inflação (IPCA) deve ficar ao redor de 4%.

Mas apesar de tais indicadores parecerem positivos em vista dos últimos resultados da economia brasileira, alguns alertas se fazem necessários:

a) A dívida pública está crescendo em velocidade acelerada, existem razoáveis dúvidas sobre sua sustentabilidade se continuar nessa trajetória.

b) Boa parte dos estados e número considerável de municípios estão falidos e precisarão de ajuda federal.

Leia também:  Considerações sobre o “Encontro com Presidenciáveis” no Fórum da Liberdade 2018

c) Em ano eleitoral, é difícil acreditar que União, estados e municípios reduzam (ou façam grandes esforços para reduzir) seu gasto público. Isso gera considerável dúvida sobre a promessa de resultado primário para 2018 (no momento é previsto um déficit primário de R$ 159 bilhões).

d) O governo dá como certo que será fácil rolar a dívida pública, essa situação pode se complicar rapidamente e merece muita atenção ao longo de 2018. O risco aqui não é baixo.

e) A taxa de juros internacional pode aumentar, o que complicaria nossa situação fiscal (pois isso implicaria na necessidade de aumentarmos nossa própria taxa de juros).

Leia também:  Será mesmo que é Bolsonaro quem está dividindo o país?

f) A situação política está muito conturbada, não será surpresa se tivermos uma eleição agitada.

g) É impossível manter o Teto do Gasto Público Federal (PEC do teto) se os gastos públicos federais seguirem a trajetória atual. Acredito que se nada for feito o próximo presidente será obrigado a abandonar a PEC do teto, isso será péssimo para a credibilidade e para as contas públicas do país.

h) Tenho sérias dúvidas sobre a reforma da previdência em 2018. O mais provável é que essa reforma seja transferida para 2019, e o próximo presidente terá que arcar com esse tremendo problema fiscal. A reforma da previdência é urgente, qualquer atraso em sua aprovação implicará em pesados ônus fiscais para nossa sociedade.

Leia também:  Como será a disputa política em tempo de fake news

i) As previdências estaduais e municipais estão pondo em risco a solvência fiscal de vários estados e municípios, esse problema aparecerá com força ao longo de 2018.

Enfim, 2018 será aquele famoso ano em que a calmaria precede a tempestade.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!