Para entender o caso Eric Garner

Entenda o caso da morte de Eric Garner, ocorrida em 17 de julho: – Eric Garner, 44 anos, 1,91m e 160kg, tinha asma e problemas cardíacos. Ele foi abordado por policiais sob a acusação de vender cigarros no “varejo”, ou seja, por unidade, o que é proibido. – Nova York foi administrada por Michael Bloomberg, […]

eric garner

Entenda o caso da morte de Eric Garner, ocorrida em 17 de julho:

– Eric Garner, 44 anos, 1,91m e 160kg, tinha asma e problemas cardíacos. Ele foi abordado por policiais sob a acusação de vender cigarros no “varejo”, ou seja, por unidade, o que é proibido.

– Nova York foi administrada por Michael Bloomberg, um radical que mandou a polícia, explicitamente, reforçar o combate a esse tipo de comércio. Uma cidade do tamanho de Nova York, com os problemas que têm, elegeu como prioridade o combate à venda de cigarros no varejo, o que é a tara de gente como Bloomberg.

– Ao ser abordado pelo policial, Eric Garner, que estava desarmado, disse que estava cansado de ser assediado pela polícia, que não estava vendendo nada e repetiu “me deixem em paz”. Ele não demonstrou sinais de que iria reagir violentamente, o que faz o caso dele completamente diferente ao do assaltante Michael Brown, em Ferguson, explicado aqui: http://on.fb.me/1rsLuwk

– O policial pede para Garner colocar as mãos para trás para ser algemado e depois dá uma gravata nele, um procedimento proibido pela polícia de NY. Garner cai no chão dizendo “eu não consigo respirar” (“I can’t breathe”), tem um ataque cardíaco e morre. Tudo filmado.

– O crime alegado foi apenas uma inofensiva venda de cigarros. Como disse a escritora e analista Ann Coulter sobre o caso, “nunca se coloque entre um esquerdista e o dinheiro dos impostos”. Nesse caso, uma suposição de não pagamento de impostos causou uma morte estúpida de um homem de 44 anos.

Leia também:  Por que o emprego de presidente do Brasil será talvez o pior que alguém possa querer?

– Os policiais foram mandados para o júri e dispensados do julgamento, foram considerados inocentes, assim como aconteceu com Darren Wilson em Ferguson. Mesmo assim, repito, são casos totalmente diferentes.

– Os policiais e paramédicos, pelas imagens, parecem ter sido negligentes no atendimento médico a Eric Garner. Como gravata normalmente não mata ninguém, é possível que tenham achado que Garner estava simulando a asfixia. Isso não é desculpa para a negligência no seu atendimento.

– Os policiais fizeram uso excessivo de força neste caso? É possível que sim, tudo leva a crer que sim. A justiça falhou? É possível também. O caso deve ser reaberto? Na minha opinião, deve.

Dito isso, é importante lembrar que não podemos reagir automaticamente nesses casos que inflamam à esquerda, que normalmente está errada, falseando dados e construindo narrativas para avançar a agenda ideológica.

É bem possível que, neste caso específico, a polícia e a justiça tenham falhado, mas qual país no mundo exerce a auto-crítica com tanta ênfase quanto os EUA? É bem possível que o caso seja reaberto e os culpados pela morte de Eric Garner, responsabilizados.

Leia também:  A decadência do politicamente correto: Marcia Tiburi mostrou como age um fascista de fato

Mesmo que os policiais e os paramédicos sejam condenados, nada justifica a absurda narrativa repetida diariamente na imprensa mundial de que há uma perseguição aos negros pela polícia americana. É simplesmente mentira. A própria filha de Eric, entrevistada na CNN, disse: “a morte do meu pai não tem nada a ver com racismo, tem a ver com o erro do policial e com ele ter 160kg.”

Os EUA registram mais de 1.100 casos de chamados policiais por roubo todos os dias. Se houvesse uma crise de assassinato de negros, por que casos como os de Michael Brown não aparecem todos os dias? Simplesmente porque são raríssimos.

Em 2010, como mostram os dados do vídeo “The Real Race War”, foram registrados 62 mil agressões ou atos violentos de brancos contra negros nos EUA. No mesmo ano, 320 mil brancos foram vítimas de atos violentos perpetrados por negros, 5 vezes mais. Como nos EUA há 38 milhões de negros e 200 milhões de brancos, a proporção de crimes cometidos por negros contra brancos é 25 vezes maior do que o contrário. Quando se leva em conta apenas as estatísticas de crimes com violência física, a proporção dispara a de 25 para 200 vezes mais. A proporção em relação a estupros nem pode ser feita porque o número de brancos estuprando negros é próximo de zero no país.

Leia também:  Regulação do Facebook: o mal à espreita

Você não verá esses números na grande imprensa, assim como dados do FBI que mostram que mais de 90% das mortes de negros nos EUA são causadas por outros negros.

A esquerda não está preocupada com a verdade dos fatos e com a vida dos negros, que estão sendo dizimadas principalmente nas grandes cidades administradas pelo Partido Democrata. A criação de uma narrativa falsa, diversionista e embusteira servirá apenas para que as verdadeiras causas da violência não sejam combatidas e que pobres e negros continuem sendo assassinados, ao menos aqueles que o lobby abortista da esquerda não consegue matar no útero das mães.

“The Real Race War” Bill Whittle http://youtu.be/iGTUcS-yQtQ

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!

Comentários

  1. Concordo com tudo o que foi tratado Alexandre.