Pacote anti-corrupção? Sim, você já viu isso antes

10882117_850784691646010_5563116574883501458_n

No dia 6 de junho de 2005, a Folha chegava às bancas com uma entrevista-bomba de Roberto Jefferson e o Brasil ouvia, pela primeira vez, a palavra “mensalão”. A entrevista foi dada para a jornalista Renata Lo Prete, ex-editora da coluna Painel e hoje na GloboNews.

O país ficou de cabeça para baixo e 15 dias depois, em 21 de junho, José Dirceu deixava o cargo de Ministro da Casa Civil. Ele era, de fato, um primeiro-ministro improvisado e continuou mandando no PT e no Brasil ainda por muitos anos. Em seu lugar entrava Dilma Rousseff, também ministra e presidente do conselho de administração da Petrobras. Pois é.

Qual foi a resposta de Lula aos escândalos? Em 1 de julho, menos de um mês depois da publicação da entrevista na Folha, os jornais divulgavam o evento de lançamento do seu “pacote anti-corrupção” ao lado da nova ministra. O PT “não inventou a corrupção, ela tem 500 anos”, eles diziam, “é o PT que está investigando agora e por isso os casos estão aparecendo”.

Leia também:  Por uma educação mais conservadora

O que fez Dilma hoje, 10 anos depois? Requentou a mesma marquetagem de Lula confiando na subserviência da imprensa, da oposição e na memória curta do brasileiro. Foram 10 anos e a roubalheira só aumentou, culminando com o Petrolão, um escândalo de fazer o mensalão parecer brincadeira de criança.

Aécio Neves, em mais um ato que fez tremer o chão de Brasília, chamou hoje o pacote de “paliativo” e ainda pediu a “ajuda” do PT para implementar novas medidas que seu partido pretende apresentar. Já dá para imaginar o cartaz que ele vai segurar de trás da janela de casa na próxima manifestação: “chega de paliativos!”. O PT não vai dormir essa noite.

Leia também:  Votos por partido para o aumento do salários dos ministros do STF

O PT é o PT, não vai mudar. Quando é pego com a mão na cumbuca, primeiro nega, depois coloca a culpa na imprensa e nas elites, e no final demite dois ou três e lança leis “anti-corrupção” enquanto compra corações e mentes com dinheiro público. O mundo gira e tudo volta ao normal até o próximo escândalo quando começa tudo de novo.

Quem vai dar um basta nisso? Quem vai tirar essa quadrilha definitivamente do poder para sempre? Quem vai mostrar ao povo brasileiro que é preciso não só mudar nomes mas também o próprio conceito do papel do estado na economia e na vida das pessoas? Estamos de olho.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  O risco Renan Calheiros

Comentários

  1. Este artigo é leitura obrigatória: “O patético pacote anticorrupção”, pelo jurista Modesto Carvalhosa.
    http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,o-patetico-pacote-anticorrupcao-imp-,1655827

    “Doutora, ouça o Carvalhosa”, por Elio Gaspari.
    http://oglobo.globo.com/opiniao/doutora-ouca-carvalhosa-15623783

  2. Num país cujo povo é conhecido por ser sem memória (eu mesmo não me lembrava mais desse pacote de Lula), artigos como esse são muito importantes. Se em algum canal popular de Youtube passassem, antes das eleições, trechos da propaganda eleitoral de 4 anos atrás, acho que as pessoas seriam bem menos ludibriadas pelos políticos ao refrescarem a memória das promessas não cumpridas.