Macri prova que elite argentina é melhor do que a nossa

macrivitoriosoMauricio Macri não apenas derrotou o bolivarianismo, tudo indica que é um liberal de verdade.

Vencer as forças das trevas do continente com social-democratas, como se tenta no Brasil, é no máximo uma meia vitória. É como apoiar a Al Qaeda para derrotar o ISIS.

Macri, 56 anos, é filho do imigrante italiano Franco Macri, que chegou pobre à Argentina, trabalhou na construção civil e hoje é um dos mais importantes e prósperos empresários do país. Mauricio foi presidente do Boca Juniors e é o atual prefeito de Buenos Aires.

Detestado pela imprensa, que trata o novo presidente como um “neoliberal que vai acabar com as conquistas sociais”, Mauricio Macri oferece uma chance real de mudança para a Argentina, enquanto o Brasil ainda engatinha na construção de uma única alternativa política de direita. Ele é o primeiro presidente civil eleito em 100 anos que não se identifica com os social-democratas e com o peronismo.

Leia também:  Série Heróis da Liberdade: Thomas Edison

Se ele será ou não um liberal na presidência, o tempo dirá. A decepção com Juan Manuel Santos na Colômbia não nos permite colocar a mão no fogo por ninguém antecipadamente. Se ele vai conseguir se manter no poder, mesmo com a violenta oposição dos peronistas, não há como prever. Se fará um governo liberal como de Sebastián Piñera no Chile, cabe a ele decidir.

Esta página sempre repete que o Brasil não precisa apenas de novos políticos, o país precisa de uma nova elite. Onde está o Maurício Macri brasileiro? Qual bilionário do Bananão apoiaria um candidato realmente liberal?

Os controladores do Bradesco e do Itaú são a favor do impeachment ou financiariam uma opção liberal para o Brasil? E os principais dirigentes da Fiesp? Os herdeiros da Rede Globo estão de que lado? Como pensam os principais empreiteiros? Você sabe a resposta.

Leia também:  Série Heróis da Liberdade: Henry David Thoreau

Um Mauricio Macri brasileiro seria tratado com desdém pela imprensa, não conseguiria captar recursos e a GloboNews passaria o dia convocando obscuros professores universitários para dizer que ele seria um fascista de extrema-direita neoliberal contra o povo.

Já o Mauricio Macri argentino é rico o suficiente para bancar a própria campanha e conquistar seu espaço. Ele não teve pressa: foi presidente de clube de futebol, prefeito da capital e só depois chegou à presidência. Sem as urnas venezuelanas apurando o resultado, o povo falou e o bolivarismo portenho foi para a lata de lixo da história.

Franco Macri, 85 anos, começou do zero, trabalhou duro e construiu um império. Como retribuição, deu seu filho para servir ao país e ajudar a fazer da pátria que adotou uma nação mais livre, moderna, justa e desenvolvida. Já os nossos bilionários, como Jorge Paulo Lemann e Abílio Diniz, querem resolver a atual crise colocando FHC e Lula para baterem um papo com uísque e charutos numa sala fechada, é tudo uma questão de lotear melhor o poder e o país.

Leia também:  Ciro Gomes é um caminhão desgovernado que confunde democracia com “cirocracia”

Com clareza de propósitos, estratégia, paciência e dinheiro suficiente, não há o que temer. Macri é o representante de uma elite patriota, que pensa no país e quer prosperidade para todos, não só para ela. Falem o que quiserem dos argentinos, mas a elite deles é muito, mas muito melhor que a nossa.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!

Comentários

  1. Prova disso é que, enquanto a Argentina produz filmes magníficos, aqui no Brasil a universidade pública está “produzindo” oficina com o nome de siririca e chuca…