A inveja, a crise e as trevas

gazeta-povo-logoA inveja que envenena a alma do indivíduo é capaz de destruir um país. Alain Peyrefitte explica: “a sociedade de desconfiança é uma sociedade temerosa, ‘ganha-perde’: uma sociedade na qual a vida em comum é um jogo cujo resultado é nulo, ou até negativo; propícia à luta de classes, ao mal-viver nacional e internacional, à inveja social, ao fechamento, à agressividade da vigilância mútua. A sociedade de confiança é uma sociedade em expansão, ‘ganha-ganha’; sociedade de solidariedade, de projeto comum, de abertura, de intercâmbio, de comunicação”.

Leia também:  É preciso ter cuidado com oportunistas nas horas que sucedem as tragédias

Em outubro último, num momento sintomático da miséria ideológica nacional, professores que faziam uma manifestação em São Paulo apedrejaram um carro de luxo, raríssimo no Brasil, pertencente a um desconhecido. O veículo apenas passava pelo local rebocado por um guincho. O que leva gente que vai formar as novas gerações de brasileiros a acreditar que o vandalismo bestial e invejoso fará algum bem a ele ou ao país? Como conseguiram corromper de tal forma suas almas?

(…)

Texto publicado originalmente na edição impressa do jornal Gazeta do Povo de 05 de fevereiro de 2016. Para ler a íntegra do texto basta clicar neste link.

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Alexandre Borges

Alexandre Borges

Alexandre Borges é carioca, comentarista político e publicitário. Diretor do Instituto Liberal, articulista do jornal Gazeta do Povo e dos portais Reaçonaria.org e Mídia Sem Máscara. É autor contratado da Editora Record.

Um comentário em “A inveja, a crise e as trevas

  • Avatar
    10/02/2016 em 5:06 pm
    Permalink

    O carro apedrejado não era um modelo “de luxo” e sim um modelo super esportivo, praticamente um carro de corrida. Que por sinal dizem ser bem espartano…

Fechado para comentários.