A hora e a vez da ruptura sistêmica

ALEXANDRE BORGES *

Como é impossível entender o que se passa no país dos Black Blocs através dos filtros da grande imprensa, é importante recorrer a fontes primárias como esse vídeo divulgado em 13 de junho pelo “Juntos”, o braço do PSOL que vai para as manifestações vestido de amarelo. É muito importante que a opinião pública entenda quem são essas pessoas que tomaram conta das ruas do Brasil, essa gente produzida aos milhares pelas universidades sustentadas com seu dinheiro. Não espere que produzam um prêmio Nobel, elas têm mais o que fazer.

Um dos psolentos do vídeo fala que é do “tribunal popular”, seja lá o que isso signifique, mas quem é minimamente alfabetizado e já estudou Revolução Francesa sabe que o termo não traz boas lembranças. Um outro está vestindo uma camisa com uma imagem de Lênin, o idealista que montou o regime responsável pela morte 30 milhões de pessoas do próprio povo e por 18 milhões enviados para campos de trabalho escravo. O leninista diz que vivemos um “prelúdio de um novo tempo, o tempo de rua”. O dia 13 de junho, data em que o vídeo foi postado, é exatamente aquela quinta-feira em que o caldo entornou em São Paulo e a jornalista da Folha foi atingida no olho por uma bala de borracha.

Leia também:  O julgamento que pode desmoralizar o Supremo Tribunal Federal

Você acha, sinceramente, que vai sentar com uma pessoa dessas e ter uma conversa racional sobre política? Você acha que é uma batalha de argumentos, que é só segurar aumento de passagem de ônibus que eles vão trabalhar, estudar ou produzir alguma coisa para o país?

O discurso deles no vídeo segue uma cartilha, nada é gratuito ou por acaso, é tudo para, no limite, justificar o quebra-quebra e a “ruptura sistêmica”. Não acredita? Leia outra fonte primária: o programa oficial do PSOL, no próprio site do partido. Diz o texto: “a lógica egoísta e destrutiva da produção, condicionada exclusivamente ao lucro, ameaça a existência de qualquer forma de vida. Assim, a defesa do socialismo com liberdade e democracia (sic) deve ser encarada como uma perspectiva estratégica e de princípios. Não podemos prever as condições e circunstâncias que efetivarão uma ruptura sistêmica.”

Traduzindo:

– O capitalismo liberal para esses democratas ameaça a existência de qualquer forma de vida! Se você defende o sistema de livre mercado, você é um perigo para todas as espécies do planeta. Será essa a base da acusação no seu julgamento do tribunal popular? Se for, boa sorte para você.

– Eles não podem prever como se fará a derrubada do sistema atual, ou melhor, qualquer forma de ação revolucionária é aceitável para fazer a “ruptura sistêmica”. Isso não é uma teoria conspiratória, é o que defende o programa do partido do Jean Wyllys e do Marcelo Freixo. Nem o Hezbollah diria melhor.

Leia também:  Quem não se constrange em atirar no próprio povo, não se intimida com palavras

Você pode dizer que eles nunca conseguirão dar um golpe de estado, mas é o que eles pregam, é o que sonham, e isso deveria levantar algumas questões sobre a adequação deste partido e de outros com as mesmas idéias no jogo democrático que eles claramente desprezam.

O fato é que esse pessoal hoje sai das péssimas faculdades brasileiras e vai para Folha, para o Estadão ou para o UOL escrever as notícias que você lê, para ONGs e movimentos sociais que influenciam diretamente as políticas públicas, e enquanto esse ciclo vicioso não for quebrado só vai piorar. Há uma guerra ideológica que precisa ser enfrentada porque ameaça a democracia e se só um lado está jogando, o resultado final não pode ser surpresa. Acha exagero? Leia essa matéria do O GLOBO que mostra que o PSOL é o partido preferido dos jornalistas.

Quando eles passam dos 40 anos de idade, estes radicais vão dirigir as redações dos jornais, as áreas de humanas das universidades, os núcleos de conteúdo das TVs ou escrever roteiros de novelas, e são reverenciados e festejados pela cultura.

Leia também:  Faz sentido falar de neoliberalismo? (segunda parte)

É o que vivemos hoje com a geração forjada nos anos 60/70 no Brasil. O moleque fedorendo e barbudo de ontem é o Caetano vestido de Black Bloc e o Chico Buarque defendendo a censura de hoje. O vídeo do PSOL não é caseiro, ele tem produção e edição profissional, custou dinheiro, tem alguém pagando isso e não é pouco. Esse pessoal não está para brincadeira, como você pode ver em qualquer manifestação. Eles querem ver o circo pegar fogo e estão contando com a conivência ou com a negligência dos palhaços e do respeitável público.

Se você der os ombros e esquecer o assunto, o assunto um dia vai lembrar de você. Como disse Churchill, “houve um momento em que um simples memorando teria impedido Hitler.” Os problemas não somem porque são ignorados, você descobre isso em algum momento da vida, de um jeito ou de outro

* DIRETOR DO INSTITUTO  LIBERAL

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Instituto Liberal

Instituto Liberal

O Instituto Liberal é uma instituição sem fins lucrativos voltada para a pesquisa, produção e divulgação de idéias, teorias e conceitos que revelam as vantagens de uma sociedade organizada com base em uma ordem liberal.